PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Laboratório diz que Cascavel fraudou 14 exames de covid e acusa dirigente

Athletico x Cascavel teve polêmica relacionada à falsificação de testes de covid-19 - Wesley Carvalho / Agência Action / FPF
Athletico x Cascavel teve polêmica relacionada à falsificação de testes de covid-19 Imagem: Wesley Carvalho / Agência Action / FPF

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

23/04/2021 17h15

Resumo da notícia

  • Proprietária do laboratório afirma que 14 testes de covid-19 foram falsificados
  • 14 envolvidos do Cascavel foram retirados do estádio antes do jogo com o Athletico
  • Presidente diz desconhecer as falsificações e fala que clube irá apurar o caso
  • Federação Paranaense denunciará os envolvidos ao Tribunal de Justiça (TJD-PR)
Classificação e Jogos

O Exame Laboratório Clínico, de União da Vitória, no Paraná, ampliou a versão divulgada ontem (22) pela Federação Paranaense de Futebol (FPF) e disse que o Cascavel CR falsificou 14 testes de covid-19 antes do jogo contra o Athletico Paranaense, na Arena da Baixada, pelo Estadual.

Em um áudio que circula pelo WhatsApp, a proprietária do laboratório, Rosângela Aparecida Silveira, afirma que 'foi uma falsificação esdrúxula', 'com fontes totalmente diferentes no laudo'.

Segundo Rosângela, a Federação procurou o laboratório, enviou cópias dos laudos, 'e foi constatado que o CR Cascavel falsificou 14 laudos de exames na terça-feira'.

Assim que soube da fraude, a FPF imediatamente retirou os 14 envolvidos do estádio. Segundo apurou o UOL Esporte, trata-se de quatro jogadores (Enzzo, Castro, Gabriel Oliveira e Lapa), seis membros da diretoria do clube e quatro integrantes da comissão técnica - dois deles, inclusive, pediram demissão na manhã de hoje (23).

Castro é um dos atletas do Cascavel afastado pela Federação Paranaense - Reprodução - Reprodução
Castro é um dos atletas do Cascavel envolvidos na polêmica
Imagem: Reprodução

No áudio, a proprietária do laboratório responsável pelos exames de covid-19 do Cascavel alerta que o clube pode ter falsificado exames em outras partidas da competição e diz ainda que Péricles Almeida, diretor de futebol e filho do presidente Tony di Almeida, admitiu por telefone ter falsificado os laudos.

"O próprio Péricles me ligou desesperado, confirmou que falsificou esses laudos, implorando para que eu dissesse que eu tinha feito exame de pelo menos de três dos titulares deles, e eu falei que isso não iria acontecer", diz trecho do áudio.

O UOL Esporte tentou contato com Péricles, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria. Segundo o presidente Tony, o filho foi desligado do clube nesta sexta-feira (23).

O que diz o laboratório

Em nota oficial divulgada na manhã de hoje, o Exame Laboratório Clínico confirmou os indícios de falsificação. "Essas violações do protocolo de jogo FPF/Covid-19 são possíveis falsificações, uma vez que não correspondem a testes realizados no laboratório", diz trecho do comunicado. Em contato com a reportagem, Rosângela disse ainda que já foi feito um boletim de ocorrência.

Presidente diz desconhecer falsificação

Ao UOL Esporte, o presidente do clube, Tony di Almeida, afirmou que o clube irá apurar os fatos e 'tomar as devidas providências internas, se houve negligência, e apresentar a defesa no momento oportuno'.

"Sempre ressaltando que não houve prejuízo ao espetáculo e muito menos a saúde de terceiros. Todos atletas que jogaram e comissão técnica que estavam no estádio estão negativos pra COVID-19. Vamos aguardar a publicação oficial da súmula para maiores esclarecimentos", acrescenta a nota oficial do clube.

Tony di Almeida disse ainda que os três jogadores retirados do estádio antes da partida — Castro, Gabriel Oliveira e Lapa — realizaram testes na manhã de hoje e todos eles deram negativo.

Depois do episódio, o técnico Luiz Carlos Cruz e o preparador físico Rogério Trentin, integrantes da comissão do Cascavel, pediram demissão. De acordo com o clube, nenhum deles sabia do caso.

Envolvidos serão denunciados

O caso irá parar nos tribunais. De acordo com a Federação Paranaense de Futebol (FPF), 'os fatos serão reportados ao Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD/PR), para consequente apuração, oportunização do contraditório e ampla defesa, e, se for o caso, aplicação das penalidades cabíveis'.

De acordo com protocolo da FPF, o clube precisa testar toda a delegação (comissão técnica, atletas, equipe de apoio, staff operacional de vestiário e diretores) a cada partida.

Leia trechos do áudio da proprietária do laboratório:

Nós fomos surpreendidos hoje à tarde, quando estávamos voltando de Curitiba, nós fomos testar o Paraná. E a Federação entrou em contato com a gente, com e-mail, com 14 pessoas relacionadas, nos questionando se essas pessoas tinham feito testes na terça-feira. Eu conferi, com um arquivo que eu sempre levo junto para todas as testagens, por isso que eu sempre peço uma lista relacionada, e nenhuma dessas 14 pessoas foi testada na terça-feira. Aí a Federação me mandou cópia dos laudos e foi constatado, junto com o Robson e a Jessica, da Federação, que são os responsáveis pela verificação, que o Cascavel CR falsificou os 14 laudos de exames na terça-feira. Foi uma falsificação esdrúxula, como a própria Federação falou, eles usaram fontes totalmente diferentes no laudo. E aí o que aconteceu, na hora do jogo, se você for olhar a falsificação, a minha assinatura, que é apenas um visto em cima de todos os meus dados, é exatamente o mesmo em todos. Então, eles pegaram uma cópia de laudo e falsificaram 14. E o que aconteceu, segundo a nota que saiu, uma suposta assessoria de imprensa do Cascavel CR disse que esses atletas apresentaram febre. Isso não procede. Aconteceu que a Federação constatou, a gente confirmou a falsificação, a fraude, e simplesmente a Federação tirou todo mundo da partida que estava com o laudo falsificado. O próprio Péricles [Almeida, diretor de futebol e filho do presidente Tony Almeida] me ligou desesperado, confirmou que falsificou esses laudos, implorando para que eu dissesse que eu tinha feito exame de pelo menos de três dos titulares deles, e eu falei que isso não iria acontecer. Estamos tomando todas as medidas cabíveis, já acionamos o setor jurídico da empresa. Estamos extremamente tristes e chateados com uma atitude dessa, criminosa, porque não envolve só a questão da nossa empresa, mas uma questão de saúde pública, da seriedade que é a questão da covid. Já está sendo feito levantamento que possivelmente eles tenham fraudado exames de outras partidas.

Veja a nota da Federação na íntegra:

A Federação Paranaense de Futebol vem, através da presente, esclarecer os fatos ocorridos na partida entre Club Athletico Paranaense e Cascavel Clube Recreativo realizada na tarde de hoje (22/04/2021), no Estádio Joaquim Américo Guimarães, válida pela 4ª rodada do Campeonato Paranaense de Futebol Profissional da Primeira Divisão - Temporada 2021, mais especificamente com relação ao afastamento de atletas antes do início da partida.

Cumpre deixar claro que o afastamento dos atletas (Enzzo Fabrizio Jovinski Stresser, Luiz Felipe Castro Neto, Matheus Gabriel de Oliveira Moraes e Wagner Afonso Bello de Lima) do Cascavel CR se deu em razão de tentativa de falsificação de exames RT-PCR para a detecção da COVID-19, apresentados para a referida partida.

Frise-se que após a devida conferência dos exames foram constatados indícios de falsificação, e a fim de averiguar a suspeita, a FPF entrou em contato com o Laboratório responsável, que por sua vez confirmou que referidos atletas não realizaram os testes nas datas em questão.

A Entidade repudia toda e qualquer tentativa de fraude e violação ao Protocolo de Jogo da FPF/COVID-19, informando desde logo que os fatos serão reportados ao Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD/PR), para consequente apuração, oportunização do contraditório e ampla defesa, e, se for o caso, aplicação das penalidades cabíveis.

Futebol