PUBLICIDADE
Topo

Futebol

De Ancelloti a Croácia: o que fez Kuscevic antes de assinar com o Palmeiras

Kuscevic, zagueiro do Palmeiras - Cesar Greco/ Palmeiras
Kuscevic, zagueiro do Palmeiras Imagem: Cesar Greco/ Palmeiras

Gabriela Chabatura

em colaboração para o UOL, em São Paulo

25/02/2021 04h00

Nome praticamente desconhecido no futebol brasileiro. Assim Benjamín Kuscevic tenta se firmar no Palmeiras e plantar uma dúvida na cabeça do técnico Abel Ferreira para as finais da Copa do Brasil e início da temporada 2021. Hoje (25), contra o Atlético-MG, ele terá a chance de provar que pode ser o companheiro de Gustavo Gómez — o paraguaio tem a condição de titular absoluta da posição. O duelo com o Galo, no Mineirão, e válido pela última rodada do Brasileirão e começa às 21h30 (de Brasília).

Suspenso dos dois últimos jogos, contra o São Paulo e Atlético-GO, o defensor retorna ao time na última rodada do Brasileirão para mostrar aos palmeirenses que tem potencial para cavar o seu espaço no time. Foi assim que, ainda na Universidad Católica (CHI), chegou à titularidade com o técnico espanhol Beñat San José em 2018, após experiência na equipe juvenil do Real Madrid.

Foi na Europa, inclusive, que Kuscevic amadureceu como pessoa e atleta. Com apenas 18 anos, se mudou sozinho para Espanha e precisou se adaptar à metodologia do clube merengue. Destacou-se e, logo, foi chamado pelo técnico Carlo Ancelotti para integrar alguns treinamentos com o elenco profissional. Apesar disso, terminou devolvido à Universidad Católica porque o Real não estava disposto a desembolsar 4 milhões de euros, à época, para tê-lo em definitivo.

Ignacio Prieto, ídolo e atual assessor de futebol juvenil da Católica, trabalhou por cerca de dois anos com o zagueiro palmeirense e enxerga nele grande capacidade de crescimento, tanto no Brasil quanto na seleção chilena — convocado pela primeira vez no amistoso contra Honduras, em 2018.

"Trata-se de um jogador com um jogo aéreo espetacular, boa antecipação e que tem todas as condições de ser o futuro defensor da seleção chilena. É um excelente profissional, se cuida muito. Tornou-se muito titular da Universidad Católica de Chile, passou pelas equipes de base da seleção e, não à toa, despertou interesse de clubes da Europa, mas optou por jogar no Brasil", contou Nacho ao UOL Esporte.

Antes de desembarcar no Palestra Itália, entretanto, Kuscevic esteve muito próximo de assinar com o Dínamo de Zagreb, da Croácia. No início de setembro do ano passado, o defensor viajou para assinar contrato com o clube, mas o negócio não se concretizou. Enquanto esperava a definição dos detalhes contratuais, o zagueiro sentiu um desconforto no tornozelo direito — por causa de uma lesão que vinha se arrastando desde agosto daquele ano — e acabou voltando ao Chile para a ser submetido a uma artroscopia, realizada em 21 de setembro.

Feliz no Palmeiras e com um título da Copa Libertadores com apenas dois meses de clube, Kuscevic promete extrair o máximo de si para ganhar a posição:

"Todos os jogos são importantes. Nós sabemos que temos que encerrar muito bem o Brasileirão, porque é importante para nós e ainda serve para prepararmos para o jogo que vem, que é a final da Copa do Brasil", disse o zagueiro à TV Palmeiras. "É um orgulho fazer parte desta equipe. Eu sei o importante que é, por isso, espero estar a altura e me esforçar sempre para dar o meu máximo. Estou muito contente de estar aqui", acrescentou.

Anunciado em novembro do ano passado, Benjamín Kuscevic assinou contrato com validade de cinco temporadas com o Verdão, que detém 50% dos seus direitos econômicos.

Futebol