PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2020

Por que Santos e Inter optaram por brasileiros após experimentarem gringos

Cuca e Abel Braga em ação por Santos e Inter, respectivamente - Ivan Storti/Santos FC e Ricardo Duarte/Inter
Cuca e Abel Braga em ação por Santos e Inter, respectivamente Imagem: Ivan Storti/Santos FC e Ricardo Duarte/Inter

Eder Traskini e Marinho Saldanha

Colaboração para o UOL, em Santos (SP) e Porto Alegre (RS)

14/11/2020 04h00

A onda de técnicos estrangeiros que tomou conta do Brasil nos últimos dois anos foi acompanhada, sim, por Santos e Internacional, adversários na tarde de hoje (14), às 16h30, na Vila Belmiro, pela 21ª rodada do Brasileirão. No entanto, os dois clubes, que tiveram seus sucessos com argentinos, submergiram para 'furar' tal onda e optaram por âncoras bem firmadas em território nacional.

Os experientes técnicos Cuca e Abel Braga foram os escolhidos pela dupla para, no meio da temporada, substituírem treinadores gringos que saíram por diferentes razões. Os dois clubes viveram prós e contras muito parecidos durante as passagens de Jorge Sampaoli e Eduardo Coudet, mas que, de certa forma, findaram em saídas traumáticas.

No Santos, Sampaoli não media palavras em suas coletivas de imprensa. A cada vez que sentava atrás de um microfone, alguma reclamação era ouvida: ora a diretoria, ora pedidos por mais reforços, ora atrasos salariais...

Em campo, o futebol encantava. Das arquibancadas, o apoio era massivo e o laço entre o argentino, o torcedor e a própria cidade de Santos era algo que há muito tempo não era visto com um treinador. Bandeiras e gritos para que Sampaoli seguisse no clube eram rotina. Até por isso, a separação deixou o torcedor machucado.

Naquele momento, o Peixe avaliava ter tido sucesso na opção pelo estrangeiro. E, de fato, estava correto. Com a saída ao fim da temporada passada, optou-se novamente por um estrangeiro, e foi assim que Jesualdo Ferreira desembarcou no Brasil.

A trajetória do português foi completamente oposta à de Sampaoli: nenhuma vez o polido e experiente lusitano reclamou publicamente de seus diretores. Meses depois, sem retribuição alguma da gentileza demonstrada, a diretoria do Alvinegro praianos demitiu o técnico após a eliminação do Paulistão. O clube classificou como fracasso o trabalho de Jesualdo e 'nadou' para um porto seguro: Cuca, experiente e multicampeão no Brasil, foi o escolhido. Vale destacar que Cuca não estará à beira do gramado hoje porque contraiu Covid-19.

No Internacional, a exemplo do Peixe, a experiência com um treinador estrangeiro teve altos e baixos. Dentro de campo, o trabalho superou as expectativas. Ainda que não tenha conquistado o título gaúcho e saia marcado pela série negativa contra o Grêmio, Eduardo Coudet catapultou as expectativas do Colorado. Líder do Brasileiro, na briga pelos títulos da Libertadores e da Copa do Brasil, o time desempenhava exatamente o futebol esperado. Era ofensivo, intenso, aguerrido, buscava o gol o tempo todo.

Mas fora de campo o "trato" não foi o melhor. Coudet costumava expor assuntos internos em entrevistas coletivas, cobrava publicamente por reforços, era repetitivo ao questionar o tamanho e a qualidade do elenco que tinha à disposição. E isso gerou, repetidamente, atritos com o comando do clube.

O Colorado, por outro lado, não queria a saída dele. Na entrevista coletiva que confirmou o desligamento, o presidente Marcelo Medeiros fez questão de citar que isso aconteceu "única e exclusivamente por vontade do treinador", que aceitou oferta para assumir o Celta de Vigo, da Espanha.

A opção por Abel Braga é uma soma de fatores. Como contou o UOL Esporte, o treinador campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes de 2006 pelo Colorado tem um "casamento perfeito" com o clube pelo momento de ambos.

Um estrangeiro, agora, significaria algumas questões que o Inter não pode atender ou arriscar. Com eleição no fim do ano, a direção — que não seguirá no comando — precisava de um treinador que aceitasse vínculo curto, que chegasse com aceitação imediata da torcida e que não precisasse de tempo para se adaptar ao futebol brasileiro, ao clube e ao grupo. O processo precisava ser rápido, já que a Libertadores (contra o Boca Juniors) e a sequência da Copa do Brasil são imediatas. Bem como a disputa ponto a ponto para seguir no topo do Brasileiro.

Abel, rodado, experiente e com história positiva no Inter, chegou "abraçado" pela torcida, que desde o primeiro momento aceitou a sequência e apoiou o comando, transformando o ambiente após o desligamento traumático de Coudet — que também tinha aceitação dos colorados.

FICHA TÉCNICA:

SANTOS x INTERNACIONAL

Data: 14 de novembro de 2020, sábado
Horário: 16h30 (de Brasília)
Competição: Campeonato Brasileiro (21ª Rodada)
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade (DF) e José Reinaldo Nascimento Júnior (DF)
VAR: Gilberto Rodrigues Castro Júnior (PE)

SANTOS: John; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Ivonei, Lucas Lourenço e Arthur Gomes; Marinho, Kaio Jorge e Lucas Braga. Técnico: Marcelo Fernandes (auxiliar)

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Rodinei, Zé Gabriel, Cuesta e Uendel; Lindoso, Edenilson, Marcos Guilherme e Maurício (D'Alessandro); Thiago Galhardo e Abel Hernández. Técnico: Abel Braga.