PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Separação de Hulk com briga midiática é nociva aos filhos, dizem psicólogos

Iran Ângelo (à esq.) e o ex-marido Hulk Paraíba com a noiva, Camila Ângelo (à dir.) - Fotos Instagram/Montagem UOL
Iran Ângelo (à esq.) e o ex-marido Hulk Paraíba com a noiva, Camila Ângelo (à dir.) Imagem: Fotos Instagram/Montagem UOL

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

11/09/2020 04h00

No início desta semana, Hulk voltou para os holofotes da mídia e não foi pela sua carreira como jogador. O atacante foi às redes sociais para responder declarações feitas pela ex-mulher, Iran Ângelo. Psicólogos ouvidos pela reportagem do UOL Esporte alertam que exposições como essa podem ser muito nocivas aos filhos do ex-casal.

Iran e Hulk se separaram no fim do ano passado. Ambos são pais de Ian, 10 anos, Tiago, 8, e Alice, 6. O jogador, em seguida, assumiu um romance com Camila Ângelo, sobrinha e então melhor amiga da ex-esposa. Desde então, jogador e ex-mulher vivem trocando farpas nas redes sociais, a ponto de tornar a separação midiática.

"Muitas vezes os adultos não conseguem lidar com sentimentos e colocam os pés pelas mãos. Eles usam os recursos que conseguem para colocar para fora tudo isso. E quando se é famoso, uma forma de colocar para fora é através da mídia. Querem mostrar o quanto é vítima, ou tentar se defender. E as crianças ficam no meio desse fogo cruzado. Eles estão sob olhares das pessoas e julgamentos e cada um consegue entender o que é capaz de acordo com a faixa etária", explicou Deborah Moss, neuropsicóloga mestre em psicologia do desenvolvimento.

"A energia gasta em tudo isso reflete nas crianças. E coisas que acontecem na intimidade não poderiam ser jogadas para julgamento público e nem aos filhos cabem isso", acrescentou Moss.

Depois do término do casamento, o jogador chegou a transferir R$ 100 milhões e ainda oferecer 40 propriedades para Iran. No entanto, a oferta foi recusada pela mulher, e o caso foi parar na Justiça.

Os especialistas afirmam que Hulk e Iran devem ter o discernimento de saber separar o relacionamento matrimonial da posição de pai e mãe. A função dos pais, nesse momento, é preservar ao máximo as crianças.

"É um problema do casal e não das crianças. Pais continuam sendo pais. Então, precisa ter um respeito para uma boa educação e preservação da criança. Os filhos podem ter transtornos de ansiedade, podem se sentir culpadas pelo que está acontecendo. Crianças não são adultos, por mais maduras que algumas possam parecer ser", destacou Yuri Busin, psicólogo, mestre e doutor em neurociência do comportamento e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental.

Na transmissão ao vivo realizada na última segunda-feira (7), Hulk ainda afirmou que não vai "entrar em detalhes por causa dos filhos". Apesar disso, é difícil de evitar que as crianças não tomem conhecimento de um atrito tão público e que não se sintam atingidas.

"Nenhuma criança precisa saber de todas essas intercorrências que existem entre o casal, porque pode passar uma insegurança. Querendo ou não, os filhos veem os pais como o porto seguro delas. É onde elas se pautam, onde se veem protegidas mesmos. Os pais correspondem aos parâmetros de coisas boas. Então é muito importante que os pais pensem nisso", completou Busin.

O cenário ideal, no entendimento dos especialistas, era que Hulk e Iran conseguissem conversar num ambiente privado, buscando um consenso sobre como lidar com conflito, sempre tendo em mente que são os pais de três filhos.

"A ideia não é mais resolver o casal, mas sim o pai e a mãe, porque eles estão separados, mas continuam pais para o resto da vida. Eles precisam entender isso. É preciso trabalhar essa questão do diálogo entre eles, porque eles precisam saber separar o conflito do casal para que não respinguem no emocional dos filhos", concluiu a neuropsicóloga Deborah Moss.

Futebol