PUBLICIDADE
Topo

Por que PSG perdeu rara promessa da base de graça para o Bayern de Munique

Tanguy Kouassi sorri durante jogo do PSG; zagueiro acertou com o Bayern de Munique - Martin Bureau/AFP
Tanguy Kouassi sorri durante jogo do PSG; zagueiro acertou com o Bayern de Munique Imagem: Martin Bureau/AFP

João Henrique Marques

Colaboração para o UOL, em Paris

26/06/2020 04h00

Não foi somente a ausência de Edinson Cavani que machucou a diretoria do Paris Saint-Germain na reapresentação do elenco. Zagueiro de 18 anos de idade, Tanguy Kouassi causou surpresa ao agir como o uruguaio e escancarou o descuido que o clube tem com suas categorias de base. O defensor recusou proposta para assinar seu primeiro contrato profissional com os parisienses e acertou com o Bayern de Munique, que não pagará nada por sua contratação.

Kouassi tem caminho parecido com o do atacante Kingsley Coman. Nascido em Paris e revelado pelo PSG, Coman também deixou o clube francês aos 18 anos e assinou seu primeiro contrato profissional com a Juventus. Após uma temporada sem espaço no time italiano, se transferiu para o Bayern de Munique, clube em que teve mais oportunidades e começou a se destacar.

Basicamente, o entorno de Kouassi adota o discurso de que o defensor terá mais oportunidades no Bayern. O clube alemão tem histórico de utilização de jovens jogadores na equipe profissional. O PSG, por outro lado, nem sequer tem um jogador revelado no clube em sua equipe titular. A prata da casa mais utilizada é o também zagueiro Presnel Kimpembe, que fez 24 jogos na temporada.

Kouassi viveu temporada de evolução no PSG. Atuou em 12 jogos do Campeonato Francês e chegou a entrar em campo nos minutos finais da vitória por 2 a 0 sobre o Borussia Dortmund, que garantiu a classificação às quartas de final da Liga dos Campeões. Internamente, havia a confiança de que o jogador aceitaria a proposta de renovação, por ser revelado no clube e por ter começado a ganhar espaço na equipe de Thomas Tuchel.

"Ele pode até jogar como volante, é incrivelmente versátil. Alto, forte e já sabe que conto com ele como peça importante do elenco. Vai ser uma evolução rápida", disse Tuchel, quando ainda confiava na permanência da promessa.

Frequentemente convocado para seleções francesas de base, Kouassi cresceu sem ver seus colegas de PSG serem aproveitados no profissional. Do elenco principal, só Kimpembe e o também zagueiro Mbe Soh, de 19 anos, foram revelados pelo clube. No maior rival francês, o Olympique de Marseille, são 15 pratas da base no elenco.

Existem jogadores revelados pelo PSG que ganharam destaque em outros clubes. São os casos de Alphonse Aréola, goleiro emprestado ao Real Madrid, e Adrian Rabiot, meio-campista que saiu de graça para a Juventus reclamando não ter a valorização desejada na equipe parisiense.

É possível ver como a base do PSG é tratada por revelações do futebol francês. Kylian Mbappé, nascido nos arredores de Paris, foi revelado pelo rival Monaco. E Ousmane Dembélé, ao ver seu nome envolvido em rumores de uma possível troca com o Barcelona por Neymar, deixava claro nos bastidores que não tem a menor vontade de defender o time de Paris. Mesmo assim, a escolha de Kouassi causou surpresa na França.

"A saída do Kouassi é algo ultrajante. Ele teve chance no PSG e nem sequer quis passar ao profissional como jogador do clube. Há algo a ser criado na metodologia para que os jovens se identifiquem com o PSG. É o maior clube francês, que vence na Liga dos Campeões. Não entendo como um jogador pode reagir dessa maneira depois de ter essa confiança ao longo do ano", opinou Jérôme Rothen, ex-jogador do clube parisiense e comentarista da rádio RMC.

O defensor não foi o único jogador revelado pelo PSG que já deixou o clube antes da conclusão da Liga dos Campeões. O meio-campista Adil Aouchiche, de 17 anos, assinou contrato profissional com o Saint-Étienne. Titular da seleção francesa na última Copa do Mundo sub-17, ele realizou três jogos pelo clube de Paris na temporada.

Thiago Motta expôs falta de elo com profissional

Em 2018, logo depois de se aposentar como jogador do PSG, Thiago Motta iniciou a carreira de treinador comandando o sub-19 do clube. Ao fim da sua primeira temporada na nova função, resolveu deixar a agremiação reclamando de que não participava da transição dos jovens para o elenco profissional. O brasileiro naturalizado italiano afirma que jamais conversou com Tuchel durante o período.

"Nós nunca conversamos. Sei que ele não gostou que uma vez disse que gostaria de treinar o time futuramente. Foi tudo muito complicado", disse Thiago Motta, em entrevista ao jornal esportivo francês L'Équipe.

O time sub-19 do PSG passa longe do histórico vencedor que o profissional tem na França. Em um campeonato inchado, dividido por regiões, terminou a temporada como terceiro colocado em um grupo vencido pelo modesto Le Havre — a temporada não foi finalizada por conta da pandemia do novo coronavírus.

Já na Liga dos Campeões da categoria, que garante participação para os mesmos times profissionais qualificados, o PSG foi eliminado na fase de grupos com seis pontos em seis jogos. Na campanha, o time sofreu goleadas por 6 a 3 para o Real Madrid e por 4 a 0 para o Brugge, da Bélgica.

Futebol