PUBLICIDADE
Topo

Mundial de Clubes - 2019

Como crise diplomática entre Qatar e Egito afeta Salah no Mundial de Clubes

Salah é a esperança de gols do Liverpool na final do Mundial - REUTERS/Susana Vera
Salah é a esperança de gols do Liverpool na final do Mundial Imagem: REUTERS/Susana Vera

Leo Burlá

Do UOL, em Doha (QAT)

15/12/2019 12h00

Classificação e Jogos

Apesar do discurso oficial de que futebol e política não se misturam, fato é que estes dois temas dividem o mesmo campo em diversas ocasiões. Astro maior do Liverpool, o egípcio Salah chegará em Doha (QAT) em meio a uma bola dividida que envolve o Egito e o país-sede da Copa-2022 e do Mundial de Clubes.

Desde 2017, as duas nações romperam relações diplomáticas. Os egípcios acusaram os asiáticos de apoiarem grupos islamitas que são considerados terroristas por outras nações árabes. A relação estreita do governo local com o Irã descontentou o grupo, que também é formado por Arábia Saudita, Emirados Árabes, Bahrein, dentre outros.

Em meio ao clima tenso, o atacante do clube inglês veio à tona, mas não exatamente por seus gols. Para tentar não misturar as bolas, uma das maiores autoridades de Comitê de Entrega e Legado da Copa de 2022 entrou em cena. Secretário-geral da entidade, Hassan Al Thawadi jurou ser torcedor do clube inglês, festejou a vinda dos Reds para o Mundial e discursou.

"É importante ressaltar, porém, que nunca politizamos um evento esportivo ou uma pessoa. Salah tem muitos fãs no mundo árabe e sua chegada aqui está deixando as pessoas ainda mais animadas", garantiu Thawadi.

Muitos desses admiradores do astro, no entanto, não poderão vê-lo em ação. Com os ânimos acirrados, ainda mais depois de o Egito apontar a relação dos qataris com a Irmandade Islâmica, um dos grupos precursores do fundamentalismo islâmico. Há o temor de que cidadãos destes países inimigos fiquem presos no Qatar.

Durante a Copa de 2018, Salah se viu em meio a um evento político que usou sua imagem para capitalizar. Ao convidar a seleção do Egito para um banquete, o líder da região da Chechênia, Ramzan Kadyrov, concedeu a Salah o título de cidadão checheno. O atleta ficou bem desconfortável com a situação, já que o político e seus aliados são acusados por defensores dos direitos humanos de abusos, sequestros e tortura. É bem pouco provável que o Liverpool permita novo desconforto para o craque.

Os ingleses estreiam na próxima quarta-feira (18) no Mundial do Qatar contra o Monterrey (MEX), que venceu ontem o Al-Sadd (QAT) por 3 a 2.