Topo

Futebol


Após gastança com medalhões, Cruzeiro x Atlético-MG tem jovens em destaque

No Cruzeiro de Abel, garoto Éderson forma dupla ao lado do capitão Henrique e deixou Ariel Cabral e Jadson no banco - Marcello Dias/Light Press/Cruzeiro
No Cruzeiro de Abel, garoto Éderson forma dupla ao lado do capitão Henrique e deixou Ariel Cabral e Jadson no banco Imagem: Marcello Dias/Light Press/Cruzeiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

09/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Cruzeiro (34 pontos) e Atlético (39 pontos) jogam clássico mineiro amanhã no Mineirão
  • Cruzeiro melhorou rendimento com a participações dos jovens Éderson, Cacá e Fabrício Bruno
  • Garotos Marquinhos e Bruninho deram nova cara ao ataque do Galo no último jogo
  • Veteranos como Thiago Neves, Robinho, Elias e Ricardo Oliveira andam em baixa nas duas equipes

Em situações parecidas na tabela do Campeonato Brasileiro, os rivais Cruzeiro e Atlético-MG se enfrentam amanhã (10), às 16h, no Mineirão. Brigando para não serem rebaixados à Série B, as duas equipes também apresentam outras semelhanças. Um delas é que ambas precisaram recorrer aos garotos para lidar com a queda de produção dos veteranos e evitar um desfecho até pior neste final de ano. Hoje, esses garotos vivem um momento crescente de produção e chegam com moral para o maior jogo do Estado, uns com a titularidade garantida, outros já contando com a preferência dos torcedores.

O Cruzeiro foi o primeiro a recorrer à prata da casa. Mas as aparições dos garotos no time não foi algo planejado por Abel Braga ou seus antecessores. Hoje titular ao lado de Henrique, o volante Éderson (20 anos) passou a ganhar mais chances quando Rogério Ceni ainda estava no clube. Sua utilização só foi possível após as saídas dos xarás Lucas Silva e Romero. Em campo, o volante já mostrou personalidade para atacar e defender, desbancado Ariel Cabral e Jadson no elenco.

Na zaga, Cacá (20 anos) e Fabrício Bruno (23 anos) também não decepcionaram quando precisaram substituir Léo e Dedé. A dupla deu tão certo que Abel Braga manteve a formação mesmo com a volta de Léo e ainda avalia essa possibilidade para o jogo de amanhã.

Apesar da evolução do Cruzeiro de Abel Braga e da injeção de ânimo que o treinador conseguiu dar à equipe, algumas de suas principais peças ainda seguem devendo. Principal organizador, Thiago Neves não tem o mesmo poder de decisão de antes. Robinho, sua companhia no meio-campo, também caiu de produção e chegou a perder espaço para Marquinhos Gabriel. No ataque, David não marca desde de março, e Fred está há mais de dois meses sem marcar com a bola rolando (fez três gols de pênalti desde então), números que explicam porque o time tem o quarto pior ataque do Brasileirão.

Bruno Cantini/Atlético-MG
Imagem: Bruno Cantini/Atlético-MG

No Atlético, a entrada dos garotos também ocorreu de forma um pouco forçada. Quando o time atingiu a péssima sequência de uma vitória em 12 jogos, foi preciso testar novas formações e jogadores para criar um fato novo dentro de campo. Só então Vagner Mancini voltou a utilizar Marquinhos (20 anos) e Bruninho (19 anos). Na vitória sobre o Goiás, no meio de semana, ambos foram promovidos no segundo tempo e marcaram os gols do Galo.

Atualmente, o setor ofensivo alvinegro conta apenas com Chará no departamento médico. Outros jogadores já foram testados em ocasiões passadas, mas já estão perdendo espaço para os mais jovens. São os casos de Vinícius, Maicon Bolt e Geuvânio. Ricardo Oliveira é outro que sequer figura no time titular.

Para o clássico de amanhã, Marquinhos acabou virando dúvida por causa de um edema na coxa. Diferente dos mais velhos, Bruninho está com a confiança em alta e não conta com a resistência da torcida, podendo ser aproveitado por Vagner Mancini até mesmo entre os 11 iniciais do jogo.

Futebol