Topo

Brasileirão - 2019


Corinthians e Santos ficam no empate em jogo de nível técnico baixo

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

26/10/2019 18h55

Corinthians e Santos fizeram clássico de nível técnico fraco na tarde de hoje (26) e não saíram do empate por 0 a 0, na Arena Corinthians, em São Paulo. Apesar de ter a bola, a equipe de Jorge Sampaoli não conseguiu furar o bloqueio do time da casa, que chega há seis jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro.

A igualdade prejudica as duas equipes, que não se mexem na tabela. Enquanto o time de Fábio Carille tem, agora, 45 pontos na quinta posição, o Peixe chega a 52 e pode ver o rival Palmeiras, com 54, aumentar a vantagem na vice-liderança.

Na próxima quarta-feira (30), pela 29ª rodada do Brasileirão, o Corinthians visita o CSA no Rei Pelé, às 21h30 (de Brasília). O Santos entra em campo um dia depois para receber o Bahia, na Vila Belmiro, às 19h15.

Soteldo tenta desequilibrar, mas para na trave

O atacante Soteldo foi o jogador mais perigoso em campo no clássico, especialmente no primeiro tempo, quando teve duas chances no intervalo de cinco minutos, mas parou no travessão na primeira delas. Insinuante, o venezuelano tentou jogar nas costas de Michel e deu trabalho com dribles, improviso e tentando cair por dentro. Ele foi substituído no segundo tempo e saiu mostrando insatisfação.

Os piores: Danilo Avelar e Tailson

O lateral esquerdo corintiano teve atuação para esquecer. Sem acertar praticamente nada do que tentou, foi nulo no ataque e ainda sofreu com Marinho na etapa final. Tentou arriscar um chute de fora da área, já no segundo tempo, mas isolou. Pelo lado visitante, o jovem Tailson foi discreto. Pouco participativo, já que a maioria das jogadas era com Soteldo, foi mal e acabou substituído por Marinho. Este, por sinal, melhorou as coisas pelo setor direito do ataque.

Corinthians mantém padrão. Mas isso não é bom

A sequência de resultados negativos mudou a postura da torcida do Corinthians, que já cobrou "vamos jogar bola" antes mesmo do apito inicial. Vontade e raça não foram problemas do time, que correu, deu carrinhos e competiu, como sempre. A razão da crise é técnica. São vários jogadores em má fase e um time pouco sincronizado em campo, sem criatividade. Vagner Love jogou quase como volante, acompanhando lateral, e nunca em algum lugar em que pudesse ser decisivo. O Corinthians tentou pressionar em cima, mas devolveu a posse de bola muito rapidamente nas poucas vezes em que acertou. Mateus Vital e Pedrinho não tiveram jornada inspirada, e o time teve poucas chances de gol. Não dá para dizer que é um time sem padrão.

Santos tem a bola, mas sofre no ataque

Jorge Sampaoli formou uma linha de quatro atrás, mas ela mal era incomodada. Com a bola na maioria do tempo, a equipe trocou muitos passes na intermediária, mas teve dificuldade para furar o bloqueio corintiano. Soteldo, principal arma ofensiva, e os outros jogadores de frente abusaram de cruzamentos que não levaram perigo a Gil e Manoel, muito pela ausência de um centroavante de ofício. Ainda assim, o time mostrou boa coletividade, triangulações e organização. Faltou mesmo maior eficiência técnica.

Cronologia do jogo

A primeira grande chance foi do time visitante, que ficava com a bola e tinha o domínio do jogo nos minutos iniciais. Aos 24, Soteldo recebeu pela esquerda, cortou a marcação e bateu forte, carimbando a trave de Cássio. Dois minutos depois, o venezuelano recebeu passe dentro da área, em jogada de contra-ataque, mas acertou a rede pelo lado de fora. Aos 44, a melhor oportunidade da equipe da casa no primeiro tempo: Love cruzou, Boselli se antecipou aos defensores e cabeceou para defesa em dois tempos de Everson.

O Peixe voltou em cima e quase abriu o placar em bomba de Marinho. Aos 16, o atacante bateu forte e obrigou Cássio a fazer bonita defesa. O Corinthians respondeu com Vagner Love, aos 29, mas o chute saiu à direita do goleiro. Perto do fim, aos 43, Sornoza cobrou falta com precisão, obrigou o rival a espalmar e levantou a torcida. Os minutos finais ainda renderam fortes emoções, com os times se lançando ao ataque. Primeiro, Felipe Jonatan completou para fora um cruzamento, dentro da área; depois, Vagner Love parou em Everson do outro lado.

Corinthians exibe maior bandeirão da Arena

Gabriel Carneiro/UOL
Imagem: Gabriel Carneiro/UOL

Como havia antecipado o UOL Esporte, o time da casa estendeu o maior bandeirão da história da Arena Corinthians antes de a bola rolar neste sábado. Com os dizeres "Time do povo", a bandeira é patrimônio do clube, e não de torcida organizada, como de costume, e tem 130m de largura x 65m de altura, totalizando 8.450m².

Goleiros jogam com "números errados"

Os goleiros das equipes paulistas jogaram o clássico com "números errados". Cássio trocou o seu tradicional número 12 pelo 181, e Everson esteve com a 136, e não a 22. O motivo? Uma ação publicitária do álbum de figurinhas do Brasileirão. Dez goleiros de sete equipes diferentes mudaram suas camisas nesta 28ª rodada, usando os números correspondentes às suas próprias figurinhas.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS X SANTOS

Data e horário: 26 de outubro de 2019, sábado, às 17h (de Brasília)
Local: Arena Corinthians, em São Paulo
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis
Público e renda: 32.142 pagantes (32.416 presentes); R$ 1.518.582,30
Cartões amarelos: Boselli. Danilo Avelar e Gil (Corinthians); Jobson (Santos)

CORINTHIANS
Cássio; Michel, Manoel, Gil e Avelar; Ralf e Júnior Urso (Sornoza); Pedrinho, Vagner Love e Mateus Vital (Janderson); Boselli (Gustavo). Técnico: Leandro da Silva (auxiliar técnico).

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca (Jobson), Evandro e Jean Mota; Tailson (Marinho), Soteldo (Felipe Jonatan) e Eduardo Sasha. Técnico: Jorge Sampaoli.