Topo

Futebol


Andrés exalta acordo com Odebrecht e rebate grupo: "rejeitados nas urnas"

O presidente Andres Sanches diz que grupo de oposição tenta apequenar o Corinthians - Rodrigo Gazzanel/Agência o Dia/Estadão Conteúdo
O presidente Andres Sanches diz que grupo de oposição tenta apequenar o Corinthians Imagem: Rodrigo Gazzanel/Agência o Dia/Estadão Conteúdo

Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo (SP)

17/09/2019 12h31

O presidente Andrés Sanchez rebateu o grupo de oposição "Movimento Corinthians Grande", que acusou o mandatário de mentiroso em relação aos acordos com a Caixa Econômica Federal e até Odebrecht. Em nota enviada ao UOL Esporte, Andrés especificou a veracidade dos contratos e, inclusive, tratou como excelente o acordo com a construtora, já que a dívida reduziu de mais de R$ 1 bilhão para R$ 160 milhões.

O presidente do Corinthians diz que o grupo tenta apequenar o clube com acusações infundadas e maldosas ao invés de engrandecê-lo. Andrés Sanches ainda intitulou o grupo como rejeitado pelos associados nas urnas da última eleição.

Apesar das acusações do grupo oposicionista sobre o acordo com a Odebrecht, a construtora confirmou a assinatura do contrato com o Corinthians ao Blog do Perrone.

Na semana passada, o Corinthians recebeu uma notificação extrajudicial da Caixa Econômica Federal, referente à dívida do clube de quase R$ 500 milhões em relação a Arena Corinthians. O aviso enviado pela empresa estatal exige a execução da dívida do Alvinegro.

No acordo com a Caixa, o Corinthians pagava R$ 5,7 milhões por mês. Está acertado que, em meses de poucos jogos (novembro, dezembro, janeiro e fevereiro) e, consequentemente, menos receitas de bilheteria, o clube pagaria o valor de parcela aproximadamente de R$ 2,5 milhões.

Confira o comunicado de Andrés na íntegra:

Devido ao teor infundado de mensagem que vem sendo propagada nas mídias sociais por grupo político amplamente rejeitado pelos associados na última eleição do Corinthians, o Presidente Andrés Sanchez se vê obrigado a vir a público para esclarecer que:

1. Jamais mentiu em seus pronunciamentos públicos ou ao Conselho Deliberativo do Clube nas manifestações a respeito da Arena Corinthians.

2. As parcelas do financiamento do BNDES repassadas pela Caixa Econômica Federal estavam em dia e sendo pagas nos termos combinados entre as partes, até que nos dois últimos meses houve um descompasso nos pagamentos conforme devidamente exposto pelo Presidente em entrevista coletiva concedida na semana passada.

3. O acordo com a Caixa existia efetivamente (conforme notificação enviada pela própria entidade ao fundo) e vinha sendo cumprido pelo Clube, mas em razão dos trâmites internos da referida instituição financeira ainda não haviam se materializado em instrumento contratual.

4. Houve a efetiva quitação financeira entre o Clube e a Construtora Odebrecht, de modo que o Corinthians nada mais deve à referida empresa.

Alegações maldosas e desprovidas de fundamento não irão desvalorizar o excelente acordo alcançado pelo Clube em relação à construção da Arena Corinthians.

Infelizmente, esse grupo político não se conforma com o sucesso da atual gestão, e rejeitado nas urnas não se dá conta, que emitir notas públicas sem a assinatura de seus líderes e inverter a ordem das coisas para tumultuar processos conhecidos dentro e fora do Clube apequena a instituição ao invés de engrandecê-la.

Mais Futebol