Topo

Saída de bola e ritmo de jogo: Rogério Ceni explica mexidas no Cruzeiro

Do UOL, em Belo Horizonte

05/09/2019 00h41

Rogério Ceni tentou explicar quais eram seus planos ao mexer no time do Cruzeiro para a partida desta quarta-feira. No Beira-Rio, o time mineiro foi derrotado para o Internacional por 3 a 0 e acabou eliminado da Copa do Brasil. Após a partida, uma declaração de Thiago Neves chamou atenção. Nela, o meia questionou as várias trocas feitas pelo treinador que, segundo o atleta, foram muitas.

"Foi na preleção, duas, três horas antes do jogo (quando os jogadores ficaram sabendo da escalação). Eu achei muito em cima da hora. Você improvisar jogador em uma linha que estava formada há dois anos. Nada contra, é óbvio que a gente quer ganhar, os jogadores que entraram foram bem, mas é muita coisa para uma decisão. O time sentiu o entrosamento, mas é como eu falei. Sentimos muito depois do primeiro gol", disse Thiago.

Sem responder diretamente o atleta, Ceni foi questionado sobre o assunto em sua entrevista após o duelo. Segundo o treinador, a decisão por utilizar Jadson improvisado na lateral foi tomada devido ao baixo condicionamento físico de Edilson. Durante o jogo, o treinador também abriu mão de Leo e Cacá, zagueiros que ficaram no banco, para improvisar Henrique no lugar de Dedé. A explicação foi que o volante, mesmo improvisado, daria melhor saída de jogo ao time.

"O Edilson deu uma entrevista dizendo que tinha poucos minutos em campo. Nós vamos completar quatro meses sem ele jogar uma partida completa. Ele deu essa declaração que estava sem ritmo, então colocamos um jogador inteiro. Já o Dedé pisou no gramado e sentiu. Eu coloquei um jogador para trás que tinha melhor saída de bola. A improvisação do Jadson foi porque o Orejuela está na seleção (colombiana), o Weverton está machucado e o Edilson não pode jogar 90 minutos", disse Rogério.

"O Dedé voltou do intervalo com dor, mas disse que conseguiria jogar. Quando ele pisou no gramado, sentiu. Eu precisava ganhar o jogo, tinha que colocar atrás um jogador com melhor saída de jogo. Quem tem a melhor saída de jogo é o Henrique. Eu coloquei o Ariel, recomponho o meio-campo com Ariel e Robinho, assim como comecei o jogo, com um volante e um meia", acrescentou.

Além de improvisar alguns atletas, Ceni também fez outras mudanças no Cruzeiro. Na lateral esquerda, Egídio perdeu a vaga para Dodô. No meio, Robinho, que era utilizado nas pontas por Mano, fez a função de segundo volante. No ataque, o treinador preferiu começar sem um centroavante fixo: Thiago Neves e Marquinhos Gabriel atuaram por dentro, enquanto David e Pedro Rocha buscaram avançar pelos lados.