Topo

Promessa de 16 anos do Flu pede dispensa da seleção para jogar por Portugal

Miguel Silveira (à esquerda), promessa do Fluminense - Mailson Santana/FFC
Miguel Silveira (à esquerda), promessa do Fluminense Imagem: Mailson Santana/FFC

Marcus Alves

Colaboração para o UOL, de Lisboa (POR)

21/08/2019 04h00

Badalado desde cedo, com o seu nome gritado nas arquibancadas e tratado como nova revelação de Xerém, o meia Miguel Silveira, do Fluminense, pediu dispensa da seleção brasileira para jogar por Portugal. Em processo de obtenção de cidadania europeia, a revelação de 16 anos notificou a CBF de sua decisão por meio de comunicado recente, mas não fechou as portas para um retorno no futuro. Ele vinha sendo chamado para a equipe sub-17.

Primeiro jogador nascido em 2003 a atuar na Série A, Miguel segue assim os passos de outro prata da casa tricolor, Marcos Paulo, que também preferiu defender os portugueses e tem jogado com regularidade.

Pessoas ligadas à federação portuguesa afirmaram ao UOL Esporte que estão conscientes do assunto e monitoram o meio-campista do Flu desde cedo. Elas ressaltam que a convocação dependerá da finalização de sua papelada, porém, o interesse existe.

Miguel e Marcos Paulo possuem os mesmos representantes, a empresa TFM (ex-Traffic), que tem fortes laços com Portugal e contava, inclusive, com um clube no país, o Estoril Praia, vendido recentemente a um fundo de investimento americano.

Até pouco tempo atrás, a carreira do atleta, que saltou do sub-17 direto para o profissional, era responsabilidade de seu pai, José Roberto, que montou toda uma estrutura com profissionais de diversas áreas ao seu redor. Mais recentemente, no entanto, com o aumento do assédio no mercado, foi fechado, então, um acordo com os novos empresários.

Com patrocínio da Nike desde os 13 anos, Miguel participou do Sul-Americano Sub-17, no Peru, entre abril e março, mas não entrou em campo nenhuma vez.

Ele chegou a ser chamado pelo técnico Guilherme Dalla Déa para um período de treinos na Granja Comary, em Teresópolis, e amistosos contra o Paraguai em julho. Na ocasião, balançou as redes substituindo a promessa do Flamengo, Reinier, em um deles.

Ainda assim, conforme ouvido pela reportagem, a impressão que havia é de que não era devidamente valorizado e dificilmente faria parte do grupo que irá disputar o Mundial Sub-17, no Brasil, em outubro. Entre outros motivos, pesa o detalhe de Miguel ser nascido em 2003 enquanto a maior parte do elenco é de 2002, um ano mais velha.

Em excelente fase no Flu, ele julgava ter a confiança do técnico Fernando Diniz, demitido do cargo na segunda-feira, e pretendia priorizar o clube nesse momento.

O garoto capixaba assinou o seu primeiro contrato com o tricolor carioca até 2022, com multa para o exterior girando em torno de R$ 150 milhões. A médio prazo, o seu desejo é se transferir para o futebol europeu e repetir o percurso do ídolo Cristiano Ronaldo.

O seu irmão mais velho, Gabriel Silveira, outra cria de Xerém, teve o nome ligado ao Desportivo Aves, de Portugal, nesta janela de transferências.

Enquanto isso, Miguel treina com o time principal do Fluminense desde abril. Ele fez a sua estreia em confronto com o Cruzeiro pela Copa do Brasil, em junho. Desde então, segue trabalhando ao lado de Paulo Henrique Ganso e companhia no dia a dia.