PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Depoimento de ex de Najila ajudou Neymar; presença na mídia intriga polícia

Estivens Alves, ex-marido de Najila Trindade - Reprodução Instagram
Estivens Alves, ex-marido de Najila Trindade Imagem: Reprodução Instagram

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

06/08/2019 04h00

O ex-marido de Najila Trindade, Estivens Alves, prestou dois depoimentos à Polícia Civil, e nenhum deles ajudou a modelo. Ele disse que a ex-mulher jamais citou estupro nas conversas que tiveram. Também contou que o vídeo gravado por ela no quarto de hotel em Paris não tinha prova alguma. As declarações fizeram parte do conjunto de fatos que levaram ao não indiciamento de Neymar, conforme apontou domingo reportagem do Fantástico, da Rede Globo.

O posicionamento beneficiou o jogador e intrigou a polícia, principalmente porque foi acompanhado de exposição na mídia. Na semana anterior à entrega do relatório da investigação de estupro, Estivens participou de um programa matutino de televisão. Dias antes, concedeu uma entrevista para uma revista de circulação nacional publicada 24 horas depois de ser ouvido pela 11ª Delegacia de Polícia. Nas duas ocasiões, ele manifestou opinião de que não houve estupro.

A falta de embasamento técnico e até de conhecimento do inquérito foi motivo de piada entre os policiais. Estivens não estava nem aí. Fazia uma sessão nos Stories do Instagram respondendo perguntas de seguidores, atitude típica de celebridades.

Antes, já havia admitido que se for lembrado pelo programa "A Fazenda", da TV Record, vai aceitar o convite. Questionado pelo UOL Esporte a respeito das declarações sobre o suposto estupro e sobre a maneira como é visto pelos investigadores, Estivens disse que tem suas razões.

"É uma avaliação deles. Eu tenho os meus motivos, os meus porquês".

Dias mais tarde, ele enviou uma nota ao UOL Esporte relatando os fatos de seu ponto de vista. Declarou que o relacionamento que estava terminou por causa do caso Neymar, que enfrentou problemas no trabalho e está reconstruindo a vida.

"Fato é que eu nada tenho com esse ocorrido, me envolvi involuntariamente, mas não me escondo de nada e de ninguém, se quiserem me ouvir, irei falar, se quiserem me ver, irei a público, se quiserem me ofender sintam-se livres! Cada um oferece aquilo que carrega consigo", diz um trecho do texto reproduzido na íntegra abaixo.

estivens - Reprodução TV Bandeirantes - Reprodução TV Bandeirantes
Imagem: Reprodução TV Bandeirantes

Depoimentos que ajudaram Neymar

O primeiro envolvimento de Estivens com o caso foi enviar um advogado para entregar o iPad do filho. A justificativa era mostrar que não havia nada a esconder. Quando o equipamento foi devolvido, ele tirou uma foto na saída da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher e anunciou nas redes sociais que venderia o tablet.

Os depoimentos que ele prestou ajudaram a delegada a formar convicção de que não havia elementos suficientes para indiciar Neymar. Para a Polícia se convencer de que uma pessoa deve responder por um crime é preciso ficar evidente materialidade e autoria.

Por materialidade entende-se comprovar que um crime foi praticado. Este critério vem antes de autoria e não foi cumprido porque os laudos, feitos muitos dias depois do suposto estupro, não puderam atestar crime sexual no quarto de hotel de Paris em 15 de maio. Acrescenta-se a este fato as declarações de testemunhas, incluindo Estivens, de que a modelo nunca citou estupro antes de registrar boletim de ocorrência em 31 de maio.

O ex-marido ainda ressaltou em seu depoimento que falou com Najila quando a modelo ainda estava em Paris. Em outra parte da conversa com os investigadores, ele descreveu o que havia no restante do vídeo. Falou que a modelo estava chateada porque foi abandonada por Neymar e o jogador não foi agressivo, pelo contrário, acalmou a garota. A versão de Najila é diferente do que foi relatado por ele.

Cabe ressaltar que não foram somente as declarações de Estivens que levaram ao entendimento da Polícia Civil. Najila prometeu entregar várias provas e não cumpriu. Ela não tem a obrigação de fazer o trabalho da polícia e produzir provas, mas atitudes desta natureza comprometem a credibilidade da acusação.

Os laudos e testemunhas dizendo que nunca ouviram menção a estupro levaram a 6ª Delegacia de Defesa da Mulher a não se convencer de que não havia indícios do suposto estupro. A busca da autoria é o segundo passo em um inquérito policial e ficou prejudicada porque sequer a ocorrência de crime foi estabelecida.

Estivens Alves - Reprodução Instagram - Reprodução Instagram
Imagem: Reprodução Instagram

Estivens, o único que saiu ganhando

A investigação de estupro foi ruim para todos os envolvidos. Najila saiu com a reputação destruída e comentários de matérias classificam a modelo como golpista. Até uma manifestação contra ela foi realizada em frente à delegacia no dia em que Neymar prestou depoimento.

O atacante do PSG também foi prejudicado. Garoto-propaganda de marcas globais, teve o nome atrelado a um dos crimes mais condenados pela sociedade. O jogador deixou de estrelar comerciais durante a Copa América e viu sua imagem, que já sofreu desgaste em outros episódios como a Copa do Mundo, ficar atrelada a este caso.

A própria Polícia Civil teve a atuação julgada. Como era uma situação de interesse nacional, os envolvidos com o inquérito precisaram adotar cuidados extras para não serem acusados de uma investigação falha. Ainda assim, houve reclamações do advogado de Najila Trindade.

Estivens, por sua vez, teve longa exposição em mídia nacional e o nome vinculado como possível participante do programa "A Fazenda". A repercussão também foi positiva em seu Instagram com o número de seguidores saltando para 34,5 mil pessoas. No perfil, ele posta fotos em que aparece sorridente e praticando esportes, acompanhadas de frases de autoajuda ou lições de vida.

Confira a íntegra da nota

Desde que Najila me relatou o ocorrido, comecei a ter que administrar conflitos em minha vida, mesmo não acreditando fielmente nos fatos. Quando Neymar postou o vídeo expondo desnecessariamente detalhes que começaram a respingar em mim, comecei a sofrer vários danos, a procura da mídia para "traçarem o perfil dela" começou a ser invasiva, no domingo seguinte à postagem do Neymar, comecei a ser procurado por dezenas de produtores, quando digo "dezenas" digo da imprensa do mundo todo, porém apareci unicamente na rede Record, um pouco contrariado, pois a ideia era expor naquele momento o desentendimento que tive com Najila no passado, com o episódio da facada.

Desde então, comecei a receber xingamentos e ameaças, pessoas que diziam saber onde eu morava, onde meu filho estudava, ameaças ridículas como "se o Neymar não jogar a Copa América você esta F..." Qualquer pessoa nesse momento iria privar seu filho de sair na rua, até minha (hoje ex-namorada) foi vítima e alvo dos mesmos, na grande maioria pelas redes sociais, sabemos da grande admiração dos brasileiros pelo Neymar e olhando ele como jogador não teria como não admirá-lo, mas à esse ponto?!

Após alguns dias de recusa sobre ter uma nova declaração na mídia, aceitei falar ao fantástico, fiquei por 1h30 conversando com a repórter da Rede Globo. Na edição da matéria usaram apenas 2 minutos de tudo que eu falei. Não sei qual foi o real objetivo disso, porém após essa exposição, comecei a receber adjetivos como oportunista, alguém que estava ganhando dinheiro sobre a desgraça dos outros, biscoiteiro (essa é engraçada, pois no meu ponto de vista, a pessoa que pronunciou isso dirigido a mim, assinou seu atestado de ignorância).

Recebi muitas insinuações sobre eu ter armado algo com a Najila, graças ao meu antigo vínculo afetivo com ela, em nenhum momento disse que ela era uma esposa maravilhosa, que era um exemplo de mulher. Tanto que discutimos por todas as declarações que eu dei, pois ela tinha uma visão que eu estava atacando-a mesmo eu sempre ressaltando o fato dela ser uma boa mãe, que não aceita nada de ruim para nosso filho, e nesse momento começaram a me atacar como alguém que estava defendendo ela, onde comecei a ter problemas tanto no meu namoro quanto na vida profissional, o que foi se agravando ate o momento em que eu fui desligado da empresa onde eu trabalhava.

Minha ex-namorada vendo a grande massa insinuando isso, passou a me atacar publicamente com ofensas e encerrando nosso relacionamento e a visita aos meus outros filhos ficou mais restrita, no mesmo momento em que minha família se mudava para o Rio de Janeiro para iniciarmos um projeto da minha mãe.

Foi nesse momento que meu planejamento de mais de 6 meses foi simplesmente destruído, ignorado por todos, por que cá entre nós, muita gente se preocupa mais em vender notícias de bola na rede do que com alguém que perdeu coisas "insignificantes". Minha família distante, eu precisando reestruturar moradia, trabalho e vida social, me deparo com a mídia me colocando como o único que se deu bem nessa história, o fato de eu usar uma simples rede social para postar coisas que gosto de fazer como pedalar, tocar um violão, ir à praia, ao parque com meus filhos, não me leva pra Europa com um contrato milionário e muito menos para a Bahia por tempo indeterminado.

Fato é que eu nada tenho com esse ocorrido, me envolvi involuntariamente, mas não me escondo de nada e de ninguém, se quiserem me ouvir, irei falar, se quiserem me ver, irei a público, se quiserem me ofender sintam-se livres! Cada um oferece aquilo que carrega consigo.

Sinto muito se incomodo alguns de vocês ao entrarem em minhas redes sociais e não me encontrarem chorando ou me lamentando. Motivos não faltam, mas sou maior que todos eles!

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que informado anteriormente, a matéria foi divulgada pelo Fantástico no último domingo (4 de agosto) e não ontem (5). O erro foi corrigido.

Futebol