PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Martinelli vira aposta no Arsenal: garantia de jogo e nada de refrigerante

Divulgação
Imagem: Divulgação

Marcus Alves

Colaboração para o UOL, de Lisboa (POR)

27/07/2019 04h00

Ao fim de cada treino durante a pré-temporada do Arsenal pelos Estados Unidos, o atacante Gabriel Martinelli manteve uma rotina: abria o Skype e ligava para o pai João Carlos para falar sobre a atividade. Ainda em fase de adaptação nos ingleses após ser comprado por 6 milhões de libras (R$ 27 milhões) ao Ituano, a revelação do último Paulistão tem sofrido com o ritmo mais forte nessa transição, mas se mostra cada vez mais integrado.

Até o momento, o jovem jogador de 18 anos tem tido apenas motivos para sorrir. Logo na primeira partida, mostrou o seu cartão de visitas, balançando as redes de peito contra o Colorado Rapids, da MLS. Na segunda chance diante da Fiorentina, da Itália, arrancou de seu campo, deixou cinco defensores para trás e quase fez um golaço.

Se ainda havia qualquer dúvida em torno de seu potencial, ela está rapidamente se dissipando.

Existe a confiança de que Martinelli possa vir a se tornar o próximo grande nome brasileiro na Premier League, com a projeção inicial de seis meses para ele se estabelecer de vez por parte de pessoas próximas.

Para facilitar ainda mais a sua aclimatação, ao voltar do giro nos Estados Unidos, Martinelli terá a companhia de sua família em Londres. O seu pai João Carlos embarcou ao lado da esposa Elizabete e da nora Rachel na última quinta-feira para se juntar a ele e o auxiliar nos primeiros passos no novo país.

A princípio, como é o único que também possui cidadania europeia, João Carlos ficará em definitivo na capital inglesa e não retorna ao Brasil. O Arsenal chegou a repassar uma ajuda de custo para se acomodarem em um hotel, mas eles já possuem o aluguel de uma casa encaminhado.

Esse planejamento mais minucioso é consequência de um motivo especial: conforme apurado pelo UOL Esporte, existe um acordo verbal com os londrinos para que Martinelli continue trabalhando no clube sob o comando do espanhol Unai Emery e não seja emprestado, como muitas vezes acontece, em sua primeira temporada.

O objetivo é evitar que se repita o que aconteceu com outras promessas badaladas como Wellington Silva, ex-Fluminense, Lucas Piazon, ex-São Paulo, e Nathan, ex-Athletico-PR, que nunca tiveram sequência por suas equipes na Premier League.

Para isso, o garoto revelado pelo Ituano e que passou pelo Corinthians na base tem sido submetido a um processo de condicionamento físico que deverá vê-lo ser utilizado mais frequentemente pelo Arsenal na Copa da Liga Inglesa, Copa da Inglaterra e Liga Europa. Até aqui, ele tem mostrado ser a alternativa mais aguda que a equipe ainda carece pelos lados.

O marfinense Wilfried Zaha, do Crystal Palace, é o sonho de consumo para preencher essa lacuna e acirrar a disputa.

CR7 é a inspiração para cuidar do corpo

Mesmo ainda novo, Martinelli demonstra uma maturidade acima da média para a sua idade. Com um estafe trabalhando ao seu redor, que inclui, entre outros profissionais, um nutricionista próprio, ele cortou refrigerante de sua dieta, deu uma segurada no sorvete e passou a se concentrar mais na salada. A inspiração não é segredo para ninguém: Cristiano Ronaldo e a sua forma física aos 34 anos.

Com passagem pela seleção principal como 'sparring' durante a fase de preparação para a Copa América, o atacante chama a atenção de quem cruza o seu caminho.

"O dia a dia dele sempre foi legal. Quando perdia treino, ficava bravo, tem esse espírito vencedor, é uma coisa importante para o atleta. Mas a performance mais top que vi dele foi em um jogo contra o São Paulo", relembra o auxiliar do Ituano, Luiz Antônio, que trabalhou ao seu lado no sub-15, sub-17 e sub-20, ao UOL Esporte.

"Ele era do projeto Manchester, por isso, viajava para períodos de treinos no Manchester United de vez em quando. A gente não sabia se ia dar certo ou não, mas ele foi ficando com a gente. Começou a se destacar mais no sub-17. A partir dali, todos os clubes passaram a vir atrás dele", prossegue.

"O ponto de virada foi uma vitória nossa de 3 a 1 sobre o São Paulo em Cotia. O São Paulo tinha diversos jogadores de seleção, Brenner, Antony, Helinho, Morato e outros. Vencemos lá e ele fez os três gols", completa.

Essa capacidade de decidir sempre foi inerente ao seu futebol.

"Cara, do trabalho que fizemos, o que a gente via nele de diferencial nunca foi a questão física, sempre foi mirradinho, a despeito da velocidade. Mas a inteligência muito grande para a leitura de jogo, técnica absurda para finalizar a gol, mentalidade muito competitiva, jogo para frente, dificilmente perdendo a bola. Fazia lances que tirava da cartola, a gente ficava abismado", conta Thiago Badari, um de seus primeiros treinadores no Ituano e hoje no Red Bull Brasil, ao UOL Esporte.

"Na segunda fase do Paulista Sub-15 que disputamos, fizemos sete gols, ele marcou seis e deu uma assistência. Em uma das partidas, empatamos em 2 a 2 com o São Paulo. O campo era ruim, horroroso, os jogadores adversários estavam todos com dificuldade e ele parecia estar em uma quadra de futsal. Fez um gol e deu passe para outro", conclui.

Com o ex-diretor da seleção, Edu Gaspar, no seu cotidiano, Martinelli terá a chance de dar seguimento a tudo isso agora no Arsenal. Para quem trabalhou com ele, é quase consenso: será um trabalho mais de lapidá-lo do que propriamente corrigir eventuais deficiências.

Futebol