Topo

Futebol

Seleção Brasileira feminina


Vadão é demitido pela CBF e deixa comando da seleção brasileira feminina

Vadão durante Copa do Mundo Feminina  - Naomi Baker - FIFA/FIFA via Getty Images
Vadão durante Copa do Mundo Feminina Imagem: Naomi Baker - FIFA/FIFA via Getty Images

Ana Carolina Silva

Do UOL, em São Paulo

22/07/2019 17h50

Vadão foi demitido e não é mais o técnico da seleção brasileira feminina. Hoje (22), quase um mês depois da eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo feminina, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou a saída do treinador. O nome do substituto ainda não foi definido, mas o UOL Esporte apurou que, por enquanto, Marco Aurélio Cunha permanece como coordenador de futebol feminino da entidade.

A informação sobre o técnico foi publicada inicialmente pelo site "GloboEsporte.com" e confirmada pela CBF. Vadão estava em sua segunda passagem pelo comando da equipe. Ele assumiu o time pela primeira vez em 2014, foi eliminado nas oitavas da Copa do Mundo de 2015 e perdeu a disputa de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio-2016. Meses depois, foi demitido e deu lugar a Emily Lima.

Vadão retornou à seleção em 2017, cerca de um ano após a saída, justamente como substituto de Emily. Foi campeão da Copa América em 2018, mas, na Copa do Mundo de 2019, seu time se classificou para o mata-mata no terceiro lugar do grupo, mas caiu nas oitavas, na prorrogação, contra a anfitriã França.

Ele já vinha sendo cobrado desde antes do torneio, período em que perdeu nove partidas consecutivas, e as críticas aumentaram após a eliminação.

No dia seguinte ao jogo contra a França, a delegação brasileira deixou a cidade de Le Havre, palco da queda do Brasil. Em contato com o UOL Esporte e outros veículos de imprensa, Marco Aurélio Cunha se emocionou na ocasião.

"Quem decide o futuro da seleção é o presidente da CBF. Eu sou tão funcionário da CBF quanto Vadão. Se acharem que nosso tempo deu, a gente vai entender. Eu só digo uma coisa: estou com a consciência tranquila, fiz tudo que pude pela seleção", disse o coordenador.

No desembarque da seleção em Guarulhos, Vadão mostrou desejo de permanecer no cargo. "A minha expectativa é sempre pela permanência. Quando assumimos o compromisso pela segunda vez, sempre tem um ciclo. O ciclo do Mundial e da Olimpíada. Mas, em virtude de uma série de coisas, temos de esperar. Mas, de qualquer forma, estou sempre otimista. Cabe à direção entender até que ponto é válido ou não", afirmou o treinador.

Mais Seleção Brasileira feminina