Topo

Esporte


Tabárez e Gareca fazem duelo raiz de apaixonados por futebol sul-americano

Óscar Tabárez, técnico do Uruguai, e Ricardo Gareca, técnico do Peru, têm trabalhos longevos - Montagem sobre Divulgação
Óscar Tabárez, técnico do Uruguai, e Ricardo Gareca, técnico do Peru, têm trabalhos longevos Imagem: Montagem sobre Divulgação

Gabriel Carneiro

Do UOL, em Salvador

29/06/2019 04h00

Óscar Tábarez, de 72 anos, e Ricardo Gareca, de 61, são os treinadores que dirigem há mais tempo seleções que chegaram às quartas de final da Copa América. À frente de seus trabalhos há 13 e quatro anos, respectivamente, os profissionais imprimiram estilos únicos em suas equipes, que se enfrentam hoje, às 16h, na Arena Fonte Nova, pela última vaga nas semifinais da competição.

Além de serem os mais antigos, os técnicos nutrem outra coincidência entre si: são admiradores e defensores ferrenhos do futebol sul-americano e críticos da supervalorização do futebol europeu. Fãs das raízes do esporte, como retratado em "Futebol ao sol e à sombra", clássico da literatura do uruguaio Eduardo Galeano, da simbólica frase "Ganamos, perdimos, igual nos divertimos" (algo como: ganhamos, perdemos, igualmente nos divertimos).

Tabárez hoje é reconhecido por ter devolvido orgulho ao país que era potência mundial no início do século passado, mas perdeu força com o passar dos anos. Chamado de "Maestro" por jogadores e imprensa, colocou o Uruguai em três edições seguidas da Copa do Mundo, além de ter conquistado um título da Copa América em 2011. O uruguaio é uma espécie de guru de outros técnicos sul-americanos, inclusive que trabalham na Europa, por conta de sua capacidade de mobilização de grandes estrelas do porte de Godín, Cavani e Suárez.

Mobilização de estrelas, como já foi com Forlán e Lugano e hoje com Cavani, é uma das razões de elogios a Tabárez - Divulgação/@Uruguay
Mobilização de estrelas, como já foi com Forlán e Lugano e hoje com Cavani, é uma das razões de elogios a Tabárez
Imagem: Divulgação/@Uruguay

"Me surpreende muitas vezes que se fale na Europa do que se faz na seleção do Uruguai. Ou aqui no Brasil. Fico muito agradecido, mas com humildade e calma", já disse o treinador, que se colocou como alguém que tenta resgatar a força do futebol sul-americano mesmo sem enfrentamentos diante dos europeus: "Existe a Liga das Nações, então não se enfrenta as seleções. Os clubes absorvem os grandes jogadores e o Mundial terá mais deles. Quando enfrentamos, tentamos ganhar. As coisas seriam melhores se pudéssemos competir mais frequentemente, mas está ficando difícil. Tento resgatar a essência do futebol sul-americano, o futebol que não muda. Ter amor pelo seu esporte e pelo seu país são coisas que não se toca."

Gareca tem uma visão mais radical. À frente da seleção peruana desde março de 2015, mesmo com percalços, o argentino carrega a marca de jamais ter trabalhado no futebol europeu. Como jogador esteve só na Argentina e na Colômbia. E a carreira de treinador passou pelos mesmos países, mais o Peru e até o Brasil, por quatro meses, em 2014, no Palmeiras.

O treinador argentino acredita que falta identidade ao futebol sul-americano por tanto querer se aproximar do europeu, como disse antes da goleada por 5 a 0 sofrida diante do Brasil: "O que acontece com o futebol sul-americano que desmerecemos tanto? Qual é o problema? Tem coisas que podemos fazer para não deixar essa história de lado. Há um consumo excessivo de algo que não está aqui. Apesar de termos muitos representantes no futebol europeu, acho que nem todos os melhores estão lá e nem tudo lá é bom. Acho que aprendemos muito da Europa, mas temos de recuperar nossa identidade."

Hoje os dois antigos e apaixonados treinadores estarão frente a frente em Salvador. A "arte do imprevisto", como anuncia Galeano, não permite prever qual deles avançará.

FICHA TÉCNICA
URUGUAI x PERU

Data: 29 de junho de 2019, sábado
Horário: 16h (horário de Brasília)
Competição: Copa América (quartas de final)
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Brasil)
Assistentes: Kleber Gil e Rodrigo Corrêa (ambos do Brasil)
VAR: Patrício Loustau (Argentina)

URUGUAI: Muslera, Giovanni González, Godin, Giménez e Cáceres; Bentancur, Fede Valverde, Nandez e De Arrascaeta; Cavani e Luis Suárez. Técnico: Óscar Tabárez.

PERU: Gallese; Advincula, Zambrano, Miguel Araujo e Trauco, Renato Tapia, Yotún, André Carrillo e Cueva; Edison Flores e Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

Mais Esporte