PUBLICIDADE
Topo

Flu sofreu com VAR, mas atuação ruim e velhos problemas machucaram mais

Siga o UOL Esporte no

Do UOL, no Rio de Janeiro

29/04/2019 04h00

É certo que a arbitragem de Dewson Freitas e o VAR prejudicaram o Fluminense na estreia do Campeonato Brasileiro. A derrota em casa para o Goiás por 1 a 0 não estava nos planos do Tricolor e mostrou que o time ainda sofre para solucionar os seus problemas.

Se o VAR errou ao anular um gol legal do Fluminense e o árbitro marcou uma falta inexistente que deu origem ao tento do zagueiro esmeraldino Rafael Vaz, o Tricolor mais uma vez jogou mal. Pouco para quem tinha o objetivo (e a necessidade) de somar logo os primeiros três pontos no Maracanã.

É sabido que o Fluminense de Fernando Diniz valoriza a posse de bola - chegou a ter 86% em determinado momento contra o Goiás. O problema é que a posse abusou de passes para o lado, o time foi pouco objetivo.

Não houve construção e a falta de profundidade, vista em alguns momentos do Campeonato Carioca, se fez presente mais uma vez. Quando a bola é perdida, a defesa acaba exposta na maioria das vezes.

O Tricolor também jogou mal contra o Santa Cruz, mesmo se classificando nos pênaltis na Copa do Brasil. A filosofia de jogo de Diniz não será alterada, mas ajustes são necessários. Questionado, o treinador fez uma análise distinta dos últimos jogos e ponderou sobre a atuação na estreia.

"Jogamos mais errado do que mal contra o Santa Cruz. O campo estava irregular. Tivemos chances claras de marcar. A primeira coisa é ter clareza nas análises e corrigir. Não tem vara mágica. As coisas não estão todas erradas quando se perde e nem todas certas quando se ganha. É montar o melhor time possível para enfrentar Santos e Grêmio", afirmou Diniz.

"As chances do Goiás foram oriundas de erros infantis. Teve o pênalti, o gol mal anulado. Não foi falta de ligação. Não houve. Houve erros", completou o comandante.

Na próxima quinta-feira, o Fluminense visita o Santos, às 19h15, na Vila Belmiro

Fluminense