Topo

VAR estreia no Paulista com gol polêmico e crítica do Palmeiras após empate

Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em São Paulo

23/03/2019 18h59

O árbitro auxiliar de vídeo (VAR) estreou hoje no Campeonato Paulista com gol polêmico do Novorizontino no empate por 1 a 1 com o Palmeiras, em Novo Horizonte. O jogo ainda foi marcado pela marcação de um pênalti para o time da casa, após consulta ao sistema. O clube alviverde criticou a arbitragem nas redes sociais.

O Novorizontino abriu o placar no primeiro tempo depois de uma matada do meia Murilo Henrique no começo do lance. O jogador do Novorizontino arriscou chute de longe, viu Fernando Prass espalmar e Cléo Silva marcar no rebote.

O árbitro Raphael Claus chegou a se comunicar com a equipe do VAR antes de autorizar o reinício de jogo e segundos depois validou o gol do Novorizontino. Para a equipe, a bola bateu na barriga do jogador.

Na etapa final, o VAR entrou em ação pela primeira vez no Paulista, após um cruzamento de Danielzinho interceptado pelo zagueiro Antônio Carlos. Claus consultou o árbitro de vídeo Thiago Duarte Peixoto e decidiu rever o lance à beira do campo. Menos de dois minutos depois, ele assinalou pênalti.

Murilo Henrique, no entanto, desperdiçou a cobrança. Fernando Prass conseguiu evitar ao gol com uma defesa no canto direito. Minutos depois, Arthur Cabral empatou o jogo em Novo Horizonte. Após o apito final, o goleiro palmeirense não poupou críticas ao VAR.

"Eu estava de frente para a jogada, não tinha ninguém tapando a visão. A bola bateu na mão dele, só que os caras complicam algo que não precisa complicar. O VAR vem para ajudar, por que o Claus não fez o mesmo procedimento na hora do pênalti? Por que na hora do gol, lance capital, não foi lá ver o monitor? Se complica à toa, ou não, né? A gente fica até meio sem saber o que pensar. É uma situação tão fácil. Tivemos duas ou três palestras sobre o VAR. Em lances de dúvida o árbitro tem toda autonomia para consultar. Custaria dez ou quinze segundos para consultar no monitor", disse Prass.

"No vestiário fomos informados de que [a bola] pegou na mão. Então no intervalo fui falar para ele, mas ele disse que não, que só parecia mas que não teria pegado. Teria uma câmera que mostrava", completou o jogador.

O VAR passou a ser utilizado após uma série de testes nos estádios das equipes classificadas às quartas de final. No Estádio Jorge Ismael De Biasi, o procedimento aconteceu na última quarta-feira (20), durante o jogo entre Novorizontino e Ferroviária. Na ocasião, o VAR foi usado de forma offline, sem comunicação entre o trio de arbitragem e a sala de vídeo.

O jogo de volta ocorrerá na próxima terça-feira (26), no Pacaembu, às 21h (de Brasília). Os times jogam por uma vitória simples para avançar às semifinais do Estadual. Se ocorrer um novo empate, a decisão será nos pênaltis.