Topo

Palmeiras leva susto, mas empata contra Novorizontino com gol de estreante

Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em São Paulo

23/03/2019 18h57

O jogo de abertura do mata-mata do Campeonato Paulista teve de tudo um pouco no estádio Jorge Ismael de Biasi, onde Novorizontino e Palmeiras empataram por 1 a 1 no duelo de ida das quartas de final. O time do interior saiu na frente com gol de Cléo Silva com toque de mão, desperdiçou um pênalti marcado com consulta do árbitro ao VAR e acabou deixando a vitória escapar em gol do estreante alviverde Arthur Cabral.

O resultado deixa tudo aberto para o reencontro das equipes, marcado para as 21 horas (de Brasília) de terça-feira (23), no estádio do Pacaembu. Quem vencer a segunda partida avança às semifinais do Estadual, enquanto qualquer empate leva tudo aos pênaltis - não há critério de gol qualificado fora de casa.

Foi bem: Estrela de Arthur Cabral brilha

Thiago Calil/AGIF
Imagem: Thiago Calil/AGIF
O atacante deu excelente cartão de visitas ao estrear com gol pelo Palmeiras. Ele entrou no intervalo em substituição a Borja, que havia perdido dois gols e feito primeiro tempo bem abaixo da crítica. Arthur foi discreto em seus primeiros minutos em campo, mas mandou na rede na primeira chance que teve, após cruzamento rasteiro na área.

Foi mal: Antônio Carlos erra e comete pênalti

O zagueiro voltou ao Palmeiras após cumprir suspensão no meio de semana, mas teve tarde infeliz. Errou passe quando menos poderia, no campo de defesa, e viu o lance se desenvolver até sair o gol adversário. Depois, na etapa final, marcou com o braço aberto dentro da área e cometeu pênalti quando a bola bateu em seu braço. Daí em diante Antônio Carlos até esteve muito próximo de se redimir, mas teve um cabeceio defendido de forma incrível e também acertou a trave.

Estreia do VAR tem pênalti e gol com toque de mão

Thiago Calil/AGIF
Imagem: Thiago Calil/AGIF

O duelo em Novo Horizonte-SP marcou a estreia do árbitro assistente de vídeo no futebol paulista. A tecnologia será usada em todo o mata-mata do Estadual, e hoje já debutou com polêmica: houve um toque de mão na origem da jogada do gol do Novorizontino, quando Murilo interceptou o passe errado de Antônio Carlos. O árbitro Raphael Claus não foi rever este lance na TV à beira do campo, mas o faria no segundo tempo, quando um toque na mão de Antônio Carlos virou pênalti após intervenção do VAR.

Início tem Palmeiras melhor, mas Borja ineficaz

Em dez minutos o Alviverde poderia ter praticamente resolvido sua classificação, mas Borja desperdiçou duas chances claras. Primeiro recebeu nas costas da zaga na cara de Oliveira, mas parou no goleiro adversário; depois errou cabeceio dentro da pequena área após bom desvio de Antônio Carlos na primeira trave (assista acima). A impressão a esta altura era de que bastava um pouquinho mais de capricho para que o Palmeiras abrisse o placar.

Saída de bola lenta atrasa o Palmeiras

A morosidade com a bola no pé fez do Alviverde um time previsível, pouco perigoso e até frágil nas disputas individuais pela bola. Durante a maior parte do primeiro tempo, os palmeirenses estiveram muito distantes entre si, a começar pela saída de bola. Mesmo com espaço para avançar e trabalhar, tanto os zagueiros quanto Felipe Melo preferiam o passe longo.

Erro alviverde custa caro e anima Novorizontino

Thiago Calil/AGIF
Imagem: Thiago Calil/AGIF
O jogo estava bem morno quando Antônio Carlos entregou a bola de graça ao Novorizontino e Prass dar rebote após Murilo experimentar de longe. Na sobra, Cléo Silva ganhou de Victor Luís na corrida e abriu o placar. O gol empolgou o time do interior, que quase fez o segundo minutos depois, em chute perigoso de Jean Patrick.

Fernando Prass salva o Palmeiras

O primeiro lance agudo do segundo tempo terminou em pênalti marcado a favor do Novorizontino. O árbitro Raphael Claus deixou a partida seguir até o jogo ficar parado, aí ouviu o árbitro assistente de vídeo, reviu o lance na TV à beira do campo e por fim marcou a penalidade. Na cobrança, porém, Fernando Prass voou para fazer grande defesa. O lance acabou sendo o chacoalhão que o Palmeiras precisava para começar a funcionar.

Estreante empata com "dedo de Felipão"

Pouco após o susto no pênalti, Felipão fez sua terceira mudança no Palmeiras e trocou Ricardo Goulart por Lucas Lima. Foi justamente o meio-campista quem começou a jogada, abriu na direita e viu Marcos Rocha cruzar na direção de outros dois substitutos, que entraram no intervalo: Felipe Pires furou, mas Arthur Cabral não perdoou e mandou no cantinho. É o primeiro gol do atacante, que estreou no Alviverde da melhor forma possível.

Palmeiras cresce e quase vira o jogo

O empate animou demais o Alviverde, que passou a jogar mais solto. Antônio Carlos cabeceou com força minutos depois, mas parou em ótima defesa de Oliveira. No lance seguinte o zagueiro deu "casquinha" na bola e acertou a trave. A melhor chance, porém, se deu em bola rasteira dentro da pequena área, onde Dudu e Arthur Cabral foram ambos travados na hora de empurrar a gol.

Algoz, Dudu faz pouco e passa em branco

Thiago Calil/AGIF
Imagem: Thiago Calil/AGIF

O camisa 7 havia marcado em todos os quatro jogos contra o Novorizontino nos mata-matas de 2017 e 2018, de modo que entrou em campo hoje cercado de expectativa. Sua atuação, no entanto, não teve brilho. Erros de domínio e de passe mataram alguns ataques palmeirenses e, na melhor chance, Dudu foi travado na pequena área.

Ficha Técnica

Novorizontino 1 x 1 Palmeiras

Data: 23 de março de 2019
Local: Estádio Jorge Ismael de Biasi, Novo Horizonte-SP
Hora: 17h00 (de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira
Cartões Amarelos: Danielzinho (Novorizontino)
Cartão Vermelho: (não houve)

Gols: Cléo Silva, aos 38 minutos do primeiro tempo. Arthur Cabral, aos 21 minutos do segundo tempo

Novorizontino: Oliveira; Lucas Ramon (Dudu Vieira), Everton Sena, Edson Silva e Paulinho; Adilson Goiano, Jean Patrick, Cléo Silva e Murilo (Carlinhos); Danielzinho e Felipe Marques (Elvinho). Técnico: Roberto Fonseca.

Palmeiras: Fernando Prass; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Felipe Melo e Bruno Henrique; Dudu, Ricardo Goulart (Lucas Lima) e Gustavo Scarpa (Felipe Pires); Borja (Arthur Cabral). Técnico: Luiz Felipe Scolari.