PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Com história parecida no SPFC, Baresi aconselha Jardine a não voltar à base

Sérgio Baresi, quando dirigia a equipe profissional do São Paulo - André Vicente/Folhapress
Sérgio Baresi, quando dirigia a equipe profissional do São Paulo Imagem: André Vicente/Folhapress

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

01/03/2019 04h00

Os mais jovens não vão se lembrar, mas a história vivida por André Jardine no São Paulo tem semelhanças com a de outro jovem treinador. Após conquistar títulos e lançar talentos na base, Sérgio Baresi fora alçado ao profissional em agosto de 2010 para substituir Ricardo Gomes. Depois de 14 jogos, em outubro do mesmo ano, deixou o cargo para dar lugar a Paulo César Carpegiani. Hoje técnico do sub-20 do Guarani, Baresi aconselha Jardine a não desistir da carreira no profissional. 

"Ele deve seguir a carreira como treinador profissional. Trabalhou no time principal, tem esse conhecimento, atuou também como auxiliar. Ele sabe como é ser treinador, tem as suas as convicções e está preparadíssimo. É questão de oportunidade. Tenho certeza de que vai ser a decisão melhor possível, porque ele foi moldado há muito tempo. Infelizmente, teve um tropeço", disse Baresi, em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Segundo apurou a reportagem, Jardine ainda não sabe qual será o seu futuro no São Paulo. Ao ser promovido para o cargo, no fim do ano passado, ele acordou vínculo até o fim de 2019. No entanto, o clube e o treinador, de 39 anos, estudam qual será o seu destino. Ao contrário de Jardine, Baresi sabia que seria um treinador interino em 2010. 

"No meu caso, não foi planejado. Estava dando treino quando o Juvenal me chamou e falou que o Ricardo Gomes iria ser mandado embora, porque a pressão era grande e não tinha os resultados esperados. Ele falou as seguintes frases: 'Baresi, você vai subir para o profissional, mas paralelamente vamos acertar com o Carpegiani, porque a multa dele é alta e o vamos pagar. Você vai subir interinamente e a sua missão será lançar os meninos da base'. E ele disse que confiava muito em mim para isso", contou Baresi. 

Confira abaixo os principais trechos da conversa com o ex-treinador do São Paulo:

Diferença para Jardine

Em nenhum momento a diretoria do São Paulo e o Juvenal pensavam em mim como o técnico. A missão era dar sustentabilidade para quem estava subindo. Sabendo de tudo isso, aceitei o desafio. Fiquei praticamente três meses e com a pressão muito grande da torcida e da imprensa. Insistimos porque o Juvenal acreditava no trabalho e apostava no Lucas e no Casemiro. Nas últimas cinco rodadas, já sabia que o Carpegiani seria o técnico. Isso foi diferente do Jardine, que subiu com toda uma estrutura em volta. Infelizmente, no caso dele, não vieram os resultados que em um clube grande são precisos para ter o sucesso. Se fizerem o que fizeram com o Muricy e com Rogério Ceni, que nunca imaginei que fariam, imagina com o Jardine.

Técnicos têm culpa?

Nos últimos anos, passaram vários treinadores, jovens e outros não, que não deram certo. A fase do São Paulo não tem a ver com treinador, mas sim com vários fatores. Na minha visão, o São Paulo não tem uma conexão única que leve ao sucesso. Esperamos que o Cuca consiga reverter esse processo.

Hora certa para assumir o São Paulo

No futebol, não tem momento certo ou errado, tem oportunidades. No meu caso, não foi planejado [assumir o São Paulo]. Estava dando treino, o Juvenal me chamou e falou que o Ricardo Gomes iria ser mandado embora, porque a pressão era grande e não tinha os resultados esperados. 

Foi queimado no São Paulo?

Eu não vejo por esse lado. É lógico que sabia que iria entrar em um caldeirão. Mas é aquele negócio, você não se molda caso não entre. Então, tudo é válido quando você tem uma oportunidade dessa. Simplesmente cumpri as ordens do nosso saudoso presidente Juvenal Juvêncio.

Últimos anos

Eu passei cincos anos fora do país. Em 2014, 2015 e 2016, estava no Shandong Luneng, da China. Em 2017 e 2018 nos EUA. Tenho contrato até 2021 como coordenador metodológico do American Soccer Club, desde a academia do sub-5 até o profissional. Recebi a proposta do sub-20 do Guarani, cheguei ao Brasil no início de janeiro e aceitei. Poderei conciliar os trabalhos. 

Boa relação com o São Paulo

Na véspera da final da Copinha, mandei boa sorte para o Orlando [técnico da base]. Ele me auxiliava no sub-20, e criamos laços com treinadores e alguns diretores. Tenho, principalmente, o DNA do São Paulo. Quem sabe um dia não volto ao clube?

Sem mágoas do Tricolor

Nenhuma mágoa, pelo contrário. Tenho um carinho especial pelo São Paulo. Fui jantar com o Juvenal dez dias depois de sair do time profissional. Não ficou mágoa. Desde o início, a gente sabia o que tinha de fazer. Acertamos 100% nisso, tanto que Lucas e Casemiro deram alegrias para o São Paulo.

Próximos desafios

Estou totalmente moldado, pronto, testado e forjado pelo fogo [risos]. Já experimentei o que tinha de experimentar. Na base, na China... Tudo isso me fez desenvolver outras ideias.

São Paulo