PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Ele sofreu infarto há um ano, mas quis voltar para se aposentar com estilo

Do UOL, em São Paulo

18/02/2019 14h21

Há um ano, o coração de Luciano Ceccato parou durante uma partida de futebol entre Nueva Alianza e Juventud de Bernal, na Argentina. Ele teve seis infartos: três no campo, dois na ambulância e um no hospital. Teve que se ausentar dos gramados, mas ontem fez sua despedida com direito a gol e cardioversor-desfibrilador implantável no corpo. Milagre?

"Os médicos me disseram que foi um milagre. Porque de 10 casos como este, se salva apenas um. Depois de todos os exames que realizaram, não conseguiram descobrir a causa dos infartos. Deus quis que eu ficasse aqui", disse o volante, hoje com 34 anos de idade.

Ceccato nasceu no dia 6 de julho, apesar disso ele adotou uma nova data para comemorar a vida: 4 de fevereiro, o dia em que quase teve uma morte súbita em pleno gramado, mas foi ressuscitado.

O volante ficou internado por três semanas, colocou um cardioversor-desfibrilador implantável e recebeu a triste notícia dos médicos: não poderia ser mais jogador de futebol. Ceccato pode levar uma vida normal, desde que não pratique esportes de alto rendimento.

O ato de pendurar as chuteiras, então, veio um ano após os infartos em campo. Ontem, Ceccato voltou a jogador futebol no Nueva Alianza, pela Copa dos Campeões da Liga Platense. 

"Ele estava treinando e se movimentando com seus amigos. A ideia é que ele entre uns 20 minutos para se despedir", disse o presidente do Nueva Alianza, Sebastian Gatti ao jornal "Olé".

"Desfrutem da partida e desfrutem da vida, porque nunca se sabe o que pode acontecer", disse Ceccatto aos companheiros de campo em discurso muito emotivo antes de a partida iniciar.

Lucho Ceccato foi, então, aos gramados para sua despedida. Ele vestiu novamente a camisa número 5 de sua equipe e marcou um gol de pênalti no triunfo por 3 a 2 sobre o Centro Fomento Los Hornos.

"É uma felicidade muito grande me aposentar assim. Em um campo de futebol e com a minha família. Foi emocionante. É algo muito inesperado e estou muito agradecido a todos que fizeram com que fosse possível desfrutar esses últimos minutos em um gramado. Tenho autorização médica para fazer atividade física, mas lógico que nada me permite jogar em alto nível. Por isso, essa é minha despedida", falou Lucho.

Futebol