PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Após acidente de Sala, técnico do Cardiff teve a "pior semana da carreira"

Warnock admitiu que pensou em desistir do futebol devido ao desaparecimento de Sala - Scott Heppell/Reuters
Warnock admitiu que pensou em desistir do futebol devido ao desaparecimento de Sala Imagem: Scott Heppell/Reuters

Do UOL, em São Paulo

28/01/2019 16h03

Esta segunda-feira (28) marca uma semana desde o desaparecimento do avião do argentino Emiliano Sala no Canal da Mancha, durante a viagem que levaria o atacante ao seu futuro clube, o Cardiff. Para o técnico do time galês, Neil Warnock, este mesmo dia também completa sua "pior semana da carreira no futebol" 

"Eu trabalho como treinador há 40 anos e esta foi, de longe, a semana mais difícil da minha carreira por quilômetros de distância", declarou o inglês, em entrevista coletiva. 

"Do ponto de vista pessoal, eu nunca passei por algo semelhante a isso. É incrível o efeito que isso causou nos jogadores. É um território desconhecido, eu acho. Essas coisas simplesmente não acontecem, ou você não pensa que elas acontecem", prosseguiu. 

Warnock também confessou que, apesar de na última semana ter considerado abandonar o futebol, não irá largar seu posto à frente do Cardiff. 

"Eu tenho pensado nisso 24 horas por dia durante esta última semana. Eu estou pensando nisso agora, enquanto estou sentado aqui", admitiu. "Mas eu me dei conta que eu tenho um trabalho a fazer aqui, e sempre foi um trabalho imenso. É duplamente imenso agora, e é justamente quando você tem que mostrar sua liderança e demonstrar aos jogadores de que você está encarregado de fazer outro milagre aqui." 

Ainda que a primeira tenha sido indireta, esta é a segunda situação delicada que o Cardiff passa neste temporada. O time galês foi o primeiro a enfrentar o Leicester após a morte de Vichai Srivaddhanaprabha, então proprietário do clube inglês. 

Emiliano Sala - SEBASTIEN SALOM GOMIS/AFP - SEBASTIEN SALOM GOMIS/AFP
Emiliano Sala está desaparecido desde a última segunda-feira (21)
Imagem: SEBASTIEN SALOM GOMIS/AFP

Justamente por essa carga emocional, Warnock revelou que alguns jogadores do elenco do Cardiff procuraram ajuda de terapeutas nos últimos dias. 

"Se fosse meu filho, procuraria para sempre"

Na última quinta-feira (24), as autoridades das Ilhas do Canal, localizada no centro do Canal da Mancha, decretaram o fim das buscas pelo jogador e o piloto do avião, David Ibbotson. Cerca de 24 horas depois, a família do argentino iniciou uma campanha na internet e arrecadou cerca de 300 mil euros (R$ 1,2 milhão), usados na contratação de uma equipe de buscas particular para seguir procurando pelos dois. Os trabalhos começaram nesta segunda-feira (28).

O treinador de 70 anos também disse entender a postura da família de Sala. "Não consigo imaginar uma situação dessas. Quando eu olho para Romina [irmã de Emiliano] e a família, eu penso que é algo muito difícil. Eu fico olhando meus filhos e pensando no que eu faria. Se fosse um dos meus filhos, eu continuaria procurando para sempre. É uma situação muito estranha, todos estão torcendo com a família." 

Enquanto Horacio e Dario, pai e irmão de Sala, respectivamente, coordenam as buscas da Argentina, Romina e Mercedes, irmã e mãe do jogador, na ordem, estão na França acompanhando o trabalho de buscas da equipe particular.

Warnock espera que o jogo contra o Arsenal, nesta nesta terça-feira (29), sirva como distração para os jogadores. "Em um mundo ideal, eu não gostaria de ter qualquer outro jogo. É assim que me sinto no momento. Eu acho que o futebol é importante, mas abre muitas outras portas quando uma tragédia como esta acontece. Eu acho que, do ponto de vista dos jogadores, eles precisam de um tipo de distração porque é muita desgraça, tristeza e sofrimento."

Futebol