PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jogador venezuelano desabafa: "Filho de militar Chavista anda de Ferrari"

Governo de Maduro se tornou alvo de críticas no meio da crise da Venezuela - Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Governo de Maduro se tornou alvo de críticas no meio da crise da Venezuela Imagem: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Do UOL, em São Paulo (SP)

25/01/2019 13h22

A crise econômica, política e humanitária da Venezuela dita o noticiário do mundo neste início de 2019. A repercussão dos acontecimentos sobre o novo governo de Nicolás Maduro cruza continentes e chega na Europa, principalmente para os nascidos no país sul-americano. O jogador Miku, que atua no Bengaluru FC-IND, se mostrou indignado com o encontrado em sua terra natal.

"O regime anterior fez coisas boas, não vou mentir, mas muita coisa foi para as mãos deles e enriqueceram. Vivo em Madri e já vi filhos de militares Chavistas [Hugo Chávez] e filhos de político andarem aqui com Ferrari e vão a restaurantes com o dinheiro do povo, e que nem sabem o que ocorre na Venezuela. Posso dizer que a situação é dramática", desabafou à Rádio Marca.

O jogador com passagens por clubes como Valencia, Getafe e Rayo Vallecano apoia a oposição comandada por Juan Guaidó, que se declarou presidente interino da Venezuela durante esta semana.

"Não houve um golpe de estado e nem se autoproclamou [outro governo] como se disse na Espanha. O presidente [Juan Guaidó] está fazendo uso de uma lei que está redigida, que é legal. Todos esperamos pela melhora do nosso país, esperamos que a Venezuela tenha apoio internacional.

"Os protestos estão sendo muito grandes. As pessoas me dizem que lá é assim: 'se não corrermos, disparam com balas de verdade e tentam nos matar'. Eles sabem que podem ser presos. Há um erro grave na Venezuela, já que a guarda nacional está militarizada. Há 20 anos é assim", complementou.

Segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 350 manifestantes acabaram presos durante a semana. Mesmo pressionado, especialmente depois de países como Estados Unidos e Brasil reconhecerem Juan Guaidó, Maduro segue no comando do país.

Futebol