PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jorge Preá acerta com Arapongas e deixa trabalho de limpeza de bueiros

Diego Salgado e Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

23/01/2019 11h55

Jorge Preá voltará aos gramados em breve. O atacante acertou na última terça-feira (22) com o Arapongas, time do Paraná. O contrato com a equipe será de dois anos. Assim, ele deixará o trabalho de limpeza de bueiros - a história foi contada pelo UOL Esporte no último domingo.

O atleta se apresentará ao Arapongas no começo de fevereiro. Em contato com a reportagem do UOL Esporte, Preá disse que acertará a saída do atual trabalho nesta quarta-feira.

Em seguida, ele fará sessões de fisioterapia e também irá aprimorar a parte física para se apresentar ao Arapongas em boas condições. O atacante não entra em campo desde o ano passado.

Preá é próximo do diretor do Arapongas, Lucas de Moraes. Eles se conheceram em setembro passado, durante uma entrevista a uma rádio de São Caetano, no ABC paulista. A ideia da contratação foi citada na semana passada. O acerto, por sua vez, ocorreu na última terça-feira.

Preá - Divulgação - Divulgação
Preá ao lado de Lucas, diretor do Arapongas: acerto aconteceu na última terça-feira
Imagem: Divulgação

O jogador afirmou que ainda não sabe se levará toda a família para o Paraná. Ele tem um filho recém-nascido, de apenas um mês, além de outros quatro. Por ora, Preá resolve a questão na companhia de limpeza de bueiros. "Meus amigos do trabalho ficaram muito felizes, muitos me ligaram me dando parabéns. Farei uma despedida antes de ir", disse.

Jogador de futebol por dez anos, inclusive com passagem pelo Palmeiras, Preá decidiu tentar ganhar algum dinheiro em outra área depois que levou calotes de clubes. "Não tenho melindre nenhum de estar trabalhando neste serviço, de estar atrás do pão de cada dia. Trabalhar não é vergonha para ninguém", afirmou na última semana.

O Arapongas disputará a terceira divisão do Campeonato Paranaense a partir do segundo semestre. Até lá o time realizará amistosos, além de participar de torneios regionais.

"Ele estava precisando, ele é meu amigo pessoal. Ele sofreu muito no futebol. Só de dívidas que clubes têm com ele é R$ 500 mil. Está nessa situação porque não pagaram ele", disse o diretor do Arapongas.

Futebol