PUBLICIDADE
Topo

Chamado de "Paulistinha", estadual mostra que ainda tem peso no Palmeiras

Maurício Galiotte ao lado de Felipão; presidente está rompido com a FPF desde 2018 - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Maurício Galiotte ao lado de Felipão; presidente está rompido com a FPF desde 2018 Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

19/01/2019 04h00

O Palmeiras faz sua estreia oficial na temporada neste domingo (20) ao visitar o Red Bull pelo Campeonato Paulista, um torneio pelo qual o clube tem demonstrado pouco carinho desde a final contra o Corinthians no ano passado. Rompido com a Federação Paulista de Futebol, o presidente Maurício Galiotte já disse que o estadual é "pequeno" mais de uma vez. Mas a história recente mostra que, se é verdade que já não tem o tamanho e a glória de outras épocas, a competição ainda guarda, sim, um peso importante para o Verdão.

A perda do título estadual para o Corinthians no ano passado foi o grande baque da temporada palmeirense. O vice-campeonato, envolto em polêmica graças à arbitragem caótica de Marcelo Aparecido Ribero de Souza e seus auxiliares no Allianz Parque, foi um golpe duro sobre o técnico Roger Machado, que até então vinha sendo muito elogiado pelos resultados tanto no Paulista quanto na Libertadores. A partir dali, ele passou a conviver com uma pressão muito maior.

Aquela derrota tornou o ambiente do clube pesado por semanas, algo que só mudou quando o Palmeiras conseguiu a histórica vitória sobre o Boca Juniors na Bombonera, pela fase de grupos da Libertadores. E não apenas a torcida sentiu o peso de perder o título estadual para o maior rival: os próprios jogadores ficaram muito abalados. Em entrevista ao UOL Esporte, por exemplo, Dudu classificou a perda do título paulista para o Corinthians como a grande decepção de sua carreira.

É claro que as circunstâncias da partida foram importantes para que o resultado tomasse o peso que tomou. A arbitragem demorou oito minutos para voltar atrás na marcação de um pênalti de Ralf sobre Dudu, e o Palmeiras entrou na Justiça tentando impugnar o resultado do jogo alegando interferência externa. Após uma longa batalha nos tribunais, com derrotas tanto no TJD-SP quanto no STJD, o clube desistiu de tentar anular o título corintiano, considerando que a missão de denunciar o ocorrido já havia sido cumprida.

Mesmo assim, a rivalidade local ainda é um fator determinante para que o Campeonato Paulista mantenha sua relevância. É só lembrar que, antes da partida de ida da final contra o Corinthians no ano passado, torcedores do Palmeiras lotaram a rua do centro de treinamentos alviverde, fazendo uma grande festa com gritos de incentivo e pedindo a vitória sobre o arquirrival. Antes do jogo de volta, o cenário se repetiu, e o Allianz Parque encheu para um treino aberto.

Some-se a isso o fato de o Palmeiras estar sem ganhar o título estadual há 11 anos. A última taça do torneio veio em 2008, com time comandado por Vanderlei Luxemburgo que tinha em Valdivia seu principal jogador. É claro que o estadual está longe de ser a prioridade da temporada do atual campeão brasileiro - essa honra cabe, como sempre, à Copa Libertadores. Porém, o clube querendo ou não, o Campeonato Paulista estará longe de ser só um "Paulistinha" sempre que as paixões regionais estiverem envolvidas.

Futebol