PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Fabrício desabafa após perseguição e polêmica no Vasco: "Sempre fui foco"

Fabrício em ação pelo Vasco; lateral conviveu com vaias, mas diz não guardar mágoa - Thiago Ribeiro/AGIF
Fabrício em ação pelo Vasco; lateral conviveu com vaias, mas diz não guardar mágoa Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

17/01/2019 04h00

Muitas vaias, críticas, polêmica nas redes sociaisluta desgastante contra o rebaixamento até o fim do Campeonato Brasileiro. Definitivamente, 2018 foi um ano difícil para Fabrício. Fora dos planos do Vasco para esta temporada, o jogador abriu o coração ao UOL Esporte sobre o que passou e projetou o futuro, que ainda é incerto.

Sincero, o lateral esquerdo negou que tenha cogitado abandonar o barco diante de toda a pressão, mas em sua avaliação, ele acabou sendo "pego para Cristo" pela torcida vascaína por todos os problemas que o clube enfrentava.

"Independentemente de qualquer coisa, cumpriria o meu contrato e daria o meu melhor em campo. O problema é que eu sempre fui o foco. E quando se é o foco, tudo que acontece respinga na gente", desabafou.

No auge da fúria da torcida, Fabrício chegou a ouvir um coro em São Januário para que ele fosse substituído. Porém, apesar de todos os contratempos, o jogador de 32 anos afirma que não guarda mágoas dos vascaínos e nem do clube.

"Eu entendo que na carreira nós temos altos e baixos. Seria injusto relacionar isso somente a mim, ao clube ou ao torcedor. São uma série de fatores que ocorrem simultaneamente. Importante é a gente olhar para trás e tirar lições de tudo que acontece, tanto nas vitórias quanto nas derrotas. Importante mesmo é cada um seguir o seu caminho em paz", avaliou.

Ouvindo vaias, Fabrício é substituído e deixa campo irritado com a torcida do Vasco - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Ouvindo vaias, Fabrício é substituído e deixa campo irritado em São Januário
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Fabrício admite que 2018 foi um ano "pesado", mas acredita que tal peso sobrecarregou não só a ele como a todos do elenco que tinham a missão de manter o Vasco na elite do Campeonato Brasileiro.

"Foi realmente um ano muito pesado, mas acredito que não só para mim, como para todos que estavam sofrendo juntos e queriam mudar a situação do Vasco. Graças a Deus conseguimos superar isso, e as coisas terminaram com o clube se mantendo na elite. Anos difíceis eu tive no início da carreira. Isso que enfrentamos é uma situação ocasional que nos levou a toda pressão que sofremos, mas que o atleta de futebol precisa estar preparado", disse.

Relembre gol de Fabrício contra o Sport

Gols UOL Esporte

Polêmica nas redes sociais: "Foi algo mal interpretado"

Wellington foi um dos que fizeram post polêmico - Divulgação / Instagram - Divulgação / Instagram
Imagem: Divulgação / Instagram

Em maio de 2018, quando o Vasco ainda estava em meio a disputa da Copa Libertadores, Fabrício esteve inserido numa polêmica que tomou grandes proporções. Às vésperas do confronto com a Universidad de Chile, em Santiago (CHI), pela fase de grupos da competição, o volante Wellington, o meia Evander, o zagueiro Paulão e o goleiro Gabriel Félix postaram uma foto em que apareciam na companhia de outros jogadores vaiados pela torcida, dentre eles o lateral esquerdo, além do lateral direito Rafael Galhardo e o zagueiro Erazo.

Wellington, por exemplo, chegou a colocar a legenda "uhhhh" (imitando vaias) seguido da pergunta: "de quem é a culpa?".

A postagem repercutiu muito mal entre os vascaínos, que interpretaram como uma ironia e uma afronta à torcida. A diretoria, então, decidiu por afastar por tempo indeterminado o quarteto que publicou o registro.

Fabrício, mesmo não tendo sido um dos punidos por não ter postado, acredita que ficou marcado pelo episódio.

"Eu acredito que toda a repercussão também estava relacionada ao momento. Se estivéssemos em uma situação melhor, não teria todo aquele tumulto. Foi algo mal interpretado, mas que pedimos desculpas pelo momento delicado. Fui inserido no contexto, mas não me preocupo mais com isso. Foi realmente algo mal interpretado".

"Espero ter um ano mais tranquilo"

Yago Pikachu comemora com Fabrício e Maxi López o gol marcado pelo Vasco - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Fabrício ainda não tem o futuro definido, embora tenha conversas com clubes de São Paulo e dos Emirados Árabes. A única coisa que deseja, porém, é ter um 2019 mais sossegado após tanta turbulência em São Januário.

"Estou avaliando com meus representantes algumas possibilidades dentro e fora do Brasil. Espero ter um ano mais tranquilo (risos), mas sei que logo estarei vestindo uma nova camisa e que merecerá toda dedicação dentro e fora de campo. Todo atleta está em constante evolução e comigo não é diferente. A gente vai amadurecendo e nossa leitura das situações é completamente outra. Sigo me preparando e acredito que em breve já teremos novidades", declarou.

Fabrício disputou 21 jogos e fez dois gols com a camisa do Vasco. Antes disso, atuou por clubes como Atlético-PR, Cruzeiro, Palmeiras e Internacional. Pelo Colorado, chegou a ser convocado para a seleção brasileira.

Futebol