Topo

Futebol


Investidores balançam com oferta do Fla e pressionam Cruzeiro a vender Dedé

Zagueiro Dedé pode trocar o Cruzeiro pelo Fla por pressão dos investidores - Vinnicius Silva/Cruzeiro
Zagueiro Dedé pode trocar o Cruzeiro pelo Fla por pressão dos investidores Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Bruno Braz, Rodrigo Mattos e Thiago Fernandes

Do UOL, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte

02/01/2019 15h26

O desejo do Cruzeiro é permanecer com Dedé, mas devido a questões além do alcance do clube, isso poderá não acontecer. Balançados com a proposta de cerca de R$ 30 milhões que o Flamengo acena, os empresários que o levaram à equipe mineira veem na negociação a chance de recuperar o investimento e pressionam a diretoria a realizar a venda. A informação foi dada inicialmente pelo Globoesporte.com e confirmada pelo UOL Esporte, que teve acesso a alguns trechos do contrato entre as partes firmado em 2014, quando os investidores fizeram a compra do zagueiro junto ao Vasco e o repassaram à Raposa.

No documento assinado pelo Cruzeiro, por Dedé e por quatro empresários, nota-se como o clube fica, de certa forma, refém dos investidores em caso de uma proposta que os agrade.

O contrato informa que 100% dos direitos econômicos do defensor foram adquiridos pelo grupo, sendo divididos pela seguinte forma: 51,91% para a empresa "DIS", 30,5% para o empresário Marcus Secundino, 11,09% para o empresário Giscard Salton e 6,5% para a empresa "GT Sports".

Ao Cruzeiro se oferece o "direito de preferência" para igualar a proposta do interessado em Dedé, algo que os mineiros não têm condições de realizar no momento.

Em caso de venda o documento prevê que o clube fique com uma "compensação equivalente a 20% sobre o valor líquido" da transação. 

Pelas regras da legislação, apesar dos investidores pressionarem o Cruzeiro, o clube é quem recebe 100% do montante da venda e precisa repassar os valores de acordo com o que foi firmado em contrato, respeitando os percentuais divididos.

De férias no Rio de Janeiro, Dedé acompanha o desenrolar da história de longe. Aos mais próximos, costuma dizer ser muito grato ao Cruzeiro por todo o apoio que recebeu quando enfrentou seguidas lesões no joelho que o afastaram por longo tempo do gramado.

O zagueiro é o pedido número 1 do técnico Abel Braga, que foi contratado para comandar o Flamengo em 2019. Em sua apresentação oficial nesta quarta-feira (2), o treinador rasgou elogios ao defensor:

"Dedé dispensa comentários, considero mito. Se fizer uma enquete com os treinadores do Brasil, é 100% sim. Eu quero. Adoraria ter na minha equipe. É uma unanimidade nacional. Sabemos que o Flamengo está tentando e vemos que está pensando grande".

O Rubro-Negro, aliás, já acertou com um reforço para o setor: Rodrigo Caio, que estava no São Paulo.

Cruzeiro garante reapresentação de Dedé e sinaliza com regra da Fifa

Ao tomar conhecimento das reportagens que abordaram o interesse do Flamengo em Dedé, o Cruzeiro emitiu uma nota oficial nesta quarta-feira (2) onde fez questão de garantir a reapresentação do zagueiro junto com o restante do elenco nesta quinta (3): "Em razão das inúmeras matérias veiculadas em sites esportivos, o Cruzeiro Esporte Clube vem a público dar uma resposta à sua imensa torcida sobre a situação de Dedé. O zagueiro, que tem contrato até o dia 31 de dezembro de 2021, se reapresenta nesta quinta-feira, na Toca da Raposa 2, para início da pré-temporada do Clube".

Em relação ao tema envolvendo os investidores, o clube mineiro sinalizou com as regras atuais estabelecidas pela Fifa no que diz respeito aos contratos com os jogadores: "O Clube esclarece ainda que não vem recebendo pressão de investidores para a liberação do atleta, uma vez que a FIFA, por meio da Circular no. 1464, inseriu no Regulation on The Status and Transfer of Players (RSTP) de 2015 o artigo 18ter, vetando, a partir de 1 de maio de 2015, a participação de terceiros nos direitos econômicos dos atletas de futebol. A entidade máxima do futebol não mais reconhece esta participação em contratos renovados após essa data, como é o caso de Dedé".

DIS nega pressão, mas ressalta: 'A venda seria de nosso interesse"

Investidor com o maior percentual nos direitos econômicos de Dedé, o DIS também se posicionou através de seu advogado, Roberto Moreno. O grupo negou que esteja exercendo uma pressão no Cruzeiro, mas deixou claro que tem o interesse na venda do zagueiro:

"Nos últimos dias, foram veiculadas algumas informações afirmando que o Grupo DIS, um dos detentores dos direitos do Dedé, estaria pressionando o Cruzeiro para que vendesse o jogador. Por isso resolvemos vir a público negar veementemente essa informação. Em nenhum momento tivemos contato com a diretoria do clube.

"O Dedé possui contrato com o Cruzeiro, e o Grupo DIS está completamente alinhado com a vontade do jogador e seu empresário, Magrão. Como investidores, a venda seria de nosso interesse, mas o desejo do atleta está acima de tudo", disse o advogado Roberto Moreno.  

Mais Futebol