PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Da desconfiança às taças, Cruzeiro fez aposta arriscada para ir bem em 2018

Diretoria fez aposta arriscada, mas terminou 2018 com o estadual e a Copa do Brasil - Rafael Ribeiro/Dia Esportivo/Estadão Conteúdo
Diretoria fez aposta arriscada, mas terminou 2018 com o estadual e a Copa do Brasil Imagem: Rafael Ribeiro/Dia Esportivo/Estadão Conteúdo

Do UOL, em Belo Horizonte

31/12/2018 04h00

A temporada de 2018 começou animadora para o Cruzeiro, mas rodeada de desconfianças. Para não perder o embalo e voltar a levantar taças como no ano anterior, a nova presidência apostou alto. Wagner Pires e Itair Machado foram às compras e não abriram mão dos altos salários para os jogadores. E deu certo: terminaram a temporada com o hexacampeonato da Copa do Brasil, com uma premiação milionária de mais de R$ 50 milhões, e a conquista do Estadual.

O ano também foi de alguns sustos e voltas por cima. A começar por jogadores importantes como Dedé, que passou momentos traumáticos no departamento médico, mas voltou aos gramados surpreendendo muito de forma positiva.

Outras peças importantes foram o goleiro e ídolo Fábio, além do capitão Henrique e do zagueiro Léo. Na beira do gramado, Mano Menezes fez sua segunda temporada completa com a Raposa e escreveu mais uma vez seu nome na história do clube. Abaixo, veja os principais momentos da temporada celeste.

Início da nova gestão dividiu opiniões

Eleito em outubro de 2017, Wagner Pires de Sá dividiu opiniões no Cruzeiro. Com ele, veio Itair Machado, braço direito e vice-presidente de futebol. Em contrapartida, o clube perdeu nomes importantes como Bruno Vicintin, Klauss Câmara e Tinga. O início da nova gestão foi marcado por desconfianças sobre o futuro da equipe.

Recuperação garante título mineiro

Arrascaeta, do Cruzeiro - Pedro Vale/AGIF - Pedro Vale/AGIF
Imagem: Pedro Vale/AGIF

Líder da primeira fase do estadual, o Cruzeiro quase ficou sem o título mineiro de 2018. Na primeira decisão contra o Atlético, a equipe saiu perdendo por 3 a 0, mas marcou um gol de honra que a recolocou na briga pela taça. Na volta, no Mineirão, ganhou por 2 a 0, placar suficiente para levantar seu primeiro título no ano.

Traumas e voltas por cima de Dedé e Fred

Dedé sofreu com as graves contusões por três anos. Em maio, voltou com tudo ao time titular e não saiu mais. Cada vez chamando mais atenção, o zagueiro chegou a figurar na lista de suplentes de Tite para a Copa do Mundo e, mais tarde, nas convocações para a seleção brasileira. Foi um dos grandes nomes da Raposa no ano.

Junto com ele, outro que superou grave lesão foi o atacante Fred. Contratado para ser o 9 de Mano Menezes, o atacante ficou seis meses parado, perdeu todas as decisões da equipe e só voltou no fim do ano, mas mostrou estar totalmente recuperado e pronto para voltar voando em 2019.

Susto, favoritismo e revolta na Libertadores

Dedé, do Cruzeiro - false - false

Em busca do tricampeonato, o Cruzeiro começou a Libertadores com alguns sustos e chegou a ter chances reais de ser eliminado ainda na fase de grupos. Após uma ótima recuperação, engrenou na competição, eliminou o Flamengo e se recolocou na briga pelo título. Mas o sonho parou nas partidas polêmicas contra o Boca Juniors, que tiveram como tema central o 'caso Dedé'.

Hegemonia com o hexa da Copa do Brasil

Campeão em 2017, o Cruzeiro alcançou um feito inédito na Copa do Brasil. O clube entrou nas oitavas de final da competição e bateu o Atlético-PR, Santos, Palmeiras e o Corinthians antes de levantar o título mais uma vez. Hexacampeão, passou o Grêmio e se tornou o maior vencedor da história do torneio. Fábio, Dedé, Thiago Neves e Arrascaeta foram alguns dos grandes nomes do time na conquista.

Futebol