PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Empresário diz que Diogo Vitor "não tem problema nenhum" e detona Santos

Atacante de 21 anos tem feito apenas preparação física em meio à suspensão de dois anos - Ivan Storti/SantosFC
Atacante de 21 anos tem feito apenas preparação física em meio à suspensão de dois anos Imagem: Ivan Storti/SantosFC

Do UOL, em São Paulo

27/12/2018 12h25

Nove meses depois de ser flagrado em exame antidoping após uma partida do Campeonato Paulista por uso admitido de cocaína, o atacante Diogo Vitor não tem feito nenhum tipo de tratamento para combater o vício. Julgado em outubro e suspenso do futebol por dois anos, o jogador de 21 anos realiza apenas trabalhos de preparação física fora das dependências do Santos e tenta reduzir a pena para um ano ou um ano ou dois meses, de acordo com William Barille, um de seus empresários. O agente, aliás, diz que a revelação da base santista não tem dependência química e não recebeu contato do Santos nos últimos meses.

"Na verdade ele não está se recuperando porque não tem problema nenhum, né? Ele cometeu um erro, está pagando por isso, o resultado do julgamento saiu e a gente está aguardando recurso", contou Barille, ao "Sistema Globo de Rádio", antes de detonar a diretoria do Santos.

"Nenhum momento ele recusou (tratamento). Eu nunca tive contato com o presidente, nunca foi oferecido nenhum tratamento para ele. Pelo contrário, a gente só foi procurado depois que saiu... a gente só teve contato com a diretoria do Santos no dia do julgamento dele, foi só esse dia que tinha uma pessoa do Santos lá. Mas fora isso ninguém nunca ligou para saber, é tudo novidade isso para a gente. O Diogo foi fachada para o Santos na verdade, se quisessem ter ajudado teriam procurado, em nenhum momento eu fui procurado, ninguém ligado ao atleta foi procurado. Ele teve aquele contato com o Casagrande porque o Santos pediu e nunca mais foi procurado", disse.

O ex-jogador Casagrande, hoje comentarista da TV Globo, e que enfrenta longa batalha contra a dependência química, teve uma conversa particular com Diogo Vitor em maio, pouco após a suspensão preventiva. Ele disse que o santista estava assustado com o caso. Mas, segundo Barille, a conversa foi positiva para o jogador: "Diogo é um menino novo, é sempre bom ouvir uma pessoa que já teve problema com isso e que está envolvida no esporte passar um pouco da visão dele, acredito que foi muito importante para o Diogo conversar um pouco com o Casagrande."

Segundo informou recentemente o UOL Esporte, Diogo Vitor rejeitou se recuperar na clínica Greenwood, em Itapecerica da Serra, a mesma que abrigou Casagrande. Os dirigentes santistas alegam que o jogador sequer se submeteu a consulta inicial na clínica para que o Santos assinasse o contrato para o tratamento do atleta. O jogador não atende as ligações do clube.

Futebol