PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Sob suspeitas e costuras políticas, Fluminense vota o impeachment de Abad

Pedro Abad em entrevista coletiva; presidente vai responder processo de impeachment - Lucas Merçon/Fluminense
Pedro Abad em entrevista coletiva; presidente vai responder processo de impeachment Imagem: Lucas Merçon/Fluminense

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/12/2018 04h00

O Fluminense vota na noite desta quinta-feira (20) o impeachment do presidente Pedro Abad. A votação é alvo de manobras dos diversos grupos políticos do clube e, ainda que o impedimento não vá adiante, a costura política nas Laranjeiras está longe de terminar.

Pertencente ao grupo Flu Sócio, o mandatário não deve ser tirado do poder por esta via. Ainda que o mínimo de 150 conselheiros previstos pelo estatuto estejam na sede do clube, a corrente de Abad detém a maior parte das cadeiras do Conselho Deliberativo. Como há necessidade de que dois terços dos presentes votem a favor para que a matéria seja aprovada, a expectativa é que os correligionários do presidente só entrem em ação se perceberem que há urgência.

A votação não deve por um ponto final nas costuras que vêm sendo feita nos bastidores. Ainda que passe ileso nesta quinta, ele sabe que sua administração vive momento delicado. Ciente da situação e pressionado, o dirigente estuda os cenários e cogita até a renúncia.

Sair pura e simplesmente do cargo, no entanto, não é a opção mais forte no momento. Caso deixe o poder, ele entrega a administração nas mãos de Fernando Leite, presidente do Conselho Deliberativo do Flu. Como Leite é aliado de Cacá Cardoso e Diogo Bueno, ambos desafetos do presidente, o mandatário não quer dar de bandeja o poder ao grupo que debandou de sua gestão.

Uma hipótese considerada é a convocação de uma Assembleia Geral. Caso opte por este caminho, Abad poderia propor a antecipação da eleição, inicialmente marcada para novembro de 2019. Este cenário é bem visto pelo trio formado por Mario Bittencourt, Celso Barros e Ricardo Tenório.

O presidente tentou impugnar o encontro desta quinta, mas não obteve sucesso. O advogado Fernando Setembrino ingressou com pedido de liminar para suspender a sessão, mas a argumentação foi rechaçada pela juíza Luciana de Oliveira Leal Halbritter, titular da 6ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Ele alegava que alguns ritos legais teriam sido desrespeitados durante o processo.

Na véspera de um dos dias mais importantes da atual gestão, o Fluminense formalizou a contratação de Fernando Diniz, algo que já estava amarrado há dias. Com o anúncio do comandante, o Tricolor pode acelerar o seu planejamento para 2019. Questões referentes a reforços estavam pendentes e esperavam a assinatura do acordo.

Futebol