PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Sampaoli cita gringos, dois brasileiros e pede para Santos "segurar" saídas

Jorge Sampaoli chega ao Brasil neste domingo para finalizar acordo com o Santos - AFP PHOTO / ALBERTO RAGGIO
Jorge Sampaoli chega ao Brasil neste domingo para finalizar acordo com o Santos Imagem: AFP PHOTO / ALBERTO RAGGIO

Marcello De Vico e Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

15/12/2018 04h00

O Santos espera o técnico Jorge Sampaoli neste domingo (16) para falar sobre o planejamento de 2019 e, principalmente, assinar o contrato de duas temporadas, firmado até o momento em um pré-contrato. Mas, antes de chegar ao Brasil, o argentino já conversou com a diretoria santista sobre o elenco por telefone e, inclusive, pediu para o clube não negociar nenhum jogador antes de sua avaliação.

Sampaoli mostrou conhecimento em relação a alguns jogadores, a maioria deles estrangeiros. Ele elogiou bastante o paraguaio Derlis González, que já coleciona convocações para a seleção de seu país e está emprestado ao Santos - ele pertence ao Dínamo de Kiev, da Ucrânia.

Outro jogador bastante elogiado e que já era esperado pela cúpula alvinegra foi o uruguaio Carlos Sánchez, com passagem vencedora pelo River Plate, da Argentina, e que até disputou a última Copa do Mundo pela seleção do Uruguai.

Bryan Ruiz e Copete também foram lembrados. A dupla, inclusive, terminou a temporada com chances de ser negociada por dois motivos - para reforçar o caixa do clube ou até mesmo como moeda de troca no mercado da bola. O costarriquenho, segundo dirigentes santistas, ainda possui mercado no futebol europeu e pode render uma boa grana ao clube paulista.

Copete, por sua vez, está na mira do Goiás, que espera pela definição do futuro do colombiano para dar início às negociações. Caso ele não esteja nos planos de Sampaoli, o clube esmeraldino entra na briga para contratar o atacante de 30 anos que tem contrato com o Santos até junho de 2021.

Copete chegou ao Santos na metade de 2016 após a conquista da Libertadores pelo Atlético Nacional. Com a camisa alvinegra, viveu altos e baixos. No segundo semestre de 2018, ele foi pouco aproveitado por Cuca e entrou em campo apenas 12 vezes com o técnico - apenas três como titular, e marcou um gol, o único na temporada.

Sampaoli cita Dodô e Gustavo Henrique

O técnico Jorge Sampaoli destacou dois jogadores brasileiros do elenco santista em conversas com a diretoria: o lateral esquerdo Dodô e o zagueiro Gustavo Henrique. O argentino elogiou a técnica deles, apesar de atuarem no sistema defensivo. O treinador gosta de defensores técnicos, que saibam sair jogando com a "bola nos pés".

O problema é que Dodô, que pertence a Sampdoria-ITA e atuou por empréstimo nesta temporada, não acertou a sua permanência no Santos. Para manter o jogador em definitivo, a diretoria santista ofereceu o maior salário do elenco. Caso aceite a oferta, o camisa 16 passaria a receber um ordenado de pouco mais de R$ 400 mil mensais.

Inicialmente, a reportagem havia apurado que Dodô pediu R$ 500 mil para renovar - salário que ele recebe na Sampdoria. Desta forma, mesmo o Santos oferecendo o maior ordenado do elenco, Dodô terá que reduzir seu ganho mensal para ficar no clube paulista.

Em 2018, a Sampdoria arcou com o ordenado de Dodô, de 130 mil euros (R$ 557 mil), mas o alvinegro praiano compôs com 30 mil euros (cerca de R$ 128 mil) por mês. Após acertar com o jogador, a cúpula alvinegra terá que exercer a prioridade de compra que vence neste mês. O Santos terá que desembolsar cerca de dois milhões de euros (aproximadamente R$ 8,5 milhões) para exercer a prioridade de compra estipulada pela Sampdoria e contratar o lateral de 26 anos em definitivo.

Futebol