PUBLICIDADE
Topo

Caso Daniel: MP denuncia família Brittes, "ficante" de jogador e mais três

Evellyn foi denunciada por falso testemunho  - Reprodução
Evellyn foi denunciada por falso testemunho Imagem: Reprodução

Adriano Wilkson, Bruno Abdala e Karla Torralba

Do UOL, em São José dos Pinhais

27/11/2018 16h39

O promotor João Milton Salles, responsável pelo caso Daniel, denunciou sete pessoas nesta terça (27) à Justiça pelo assassinato do jogador. Além da família Brittes, mais quatro pessoas foram denunciadas por envolvimento no crime.

A novidade foi a denúncia também de Evellyn Brisola Perusso, 19 anos, que ficou com a vítima, na festa de 18 anos de Allana, antes do crime. Evellyn responderá por denunciação caluniosa e fraude processual. Ela não será presa. 

"Houve uma tentativa de se imputar crimes a terceiros, que sabidamente não participaram. Foi uma tentativa de atrapalhar a investigação. Aí culminou no crime de falso testemunho", disse o promotor João Milton Salles sobre Evellyn. "Quando ouvida, trouxe à cena do crime o Eduardo Purkote. Na conclusão do inquérito e após a minha análise, chegou-se a conclusão que ele não participou", explicou. 

"Ela não pode ser presa, a pena aplicada a esse crime é relativamente baixa. O crime é de denunciação caluniosa, e o meio utilizado para isso foi um falso testemunho. Ela dolosamente atribuiu essa conduta criminosa ao Eduardo (Purkote)", completou. 

Evellyn foi a testemunha do caso que indicou que o gêmeo Eduardo Purkote teria dado a faca do crime a Edison Brittes Júnior, que confessou o assassinato. Além disso, segundo ela, Purkote agrediu o jogador e quebrou o celular de Daniel. O gêmeo foi solto na última segunda (26) e não foi denunciado por nenhum crime. 

Edison Brittes Júnior, Ygor King, David Vollero e Eduardo Henrique da Silva, que estavam no Veloster preto e levaram o jogador para a morte foram denunciados por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual.

Cristiana Brittes foi denunciada por homicídio qualificado. Allana Brittes foi denunciada por fraude processual e coação de testemunha. 

Os advogados de defesa de Evellyn manifestaram surpresa com a denúncia. "O Escritório Pereira Jorge, Zagonel e Torres, na qualidade de defensor de Evellyn Brisola Perusso, informa que até o presente momento não teve acesso a denúncia ofertada pelo Ministério Público do Estado do Paraná, divulgada na tarde de hoje em entrevista coletiva, onde o Promotor de Justiça João Milton Salles informou ter denunciado Evellyn por denunciação caluniosa e fraude processual. Entretanto, a defesa manifesta neste ato sua extrema surpresa quanto à denúncia ofertada, uma vez que a Evellyn buscou a todo momento auxiliar as autoridades na busca da verdade, o que restará comprovado em futura instrução processual", disse por nota oficial. 

O advogado da família Brittes informou que se manifestará em coletiva de imprensa. O advogado de Ygor King e David Vollero disse que falará apenas após ter conhecimento da denúncia por escrito. O advogado de Eduardo Henrique, Edson Stadler, afirmou que a denúncia foi feita em meio a um "lastro muito amplo que o inquérito deixou". 

"A denuncia ela se posicionou sobre lastro muito amplo onde o inquérito poderia ter esclarecido tudo e não esclareceu. O representante do Ministério Público ficou com lastro. No meu entendimento, o inquérito não esclareceu as divergências, obscuridades que o caso apresenta. O meu cliente apresentou uma versão diferente de outro. Acareação não foi feita para esclarecer a verdade. Não houve reconstituição de crime que poderia esclarecer. Diante das faltas para esclarecer e aproximar a verdade dos fatos o promotor ficou com lastro amplo e trabalha com ilações, que o inquérito deveria ter suprido", disse Stadler 

Denunciados pela morte de Daniel

Edison Brittes Júnior – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual

Eduardo Henrique Ribeiro da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual

David Vollero – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, denunciação caluniosa e fraude processual

Ygor King – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual

Cristiana Brittes – homicídio qualificado, fraude processual e coação de testemunha

Allana Brittes – coação de testemunha e fraude processual

Evellyn Brisola Perusso – denunciação caluniosa e fraude processual

Todos os envolvidos também responderão por corrupção de adolescente. A prima de Cristiana, que estava na casa, tem 17 anos e foi obrigada a limpar o local após o crime. 

Prova pericial foi determinante para denúncia

Segundo o promotor, as provas periciais confirmam que mais de uma pessoa atuou de forma determinante na morte de Daniel. "A conclusão foi confirmada pela prova pericial, a perícia é uma prova importantíssima. Ela aponta que esse rapaz, pra ser executado da forma como foi, somente com a atuação de mais de uma pessoa! Outro fator importante que a perícia aponta é que este carro só tem três portas, o Veloster não é um carro 4 portas, e tinha marcas de sangue em todas as portas". 

Cristiana Brittes  pediu para não fazer sujeira em casa

O promotor explicou que a atitude de Cristiana Brittes quando Daniel começa a ser espancado ajudou para o desfecho trágico. Denunciada por fraude processual, coação de testemunho e homicídio, ela teria afirmado que "não queria mais sangue em sua casa". "O que aparece ali nas investigações e no inquérito é que em determinado momento, quando surgiu a situação de espancamento, a reação dela foi consciente, ela se levantou e acompanhou. E o que aparece nos depoimentos foi que ela aderiu ao comportamento do Edison e dos rapazes, e depois aparece ela, através de relatos, determinou que se acabasse o crime fora da casa. A morte do Daniel não teria ocorrido se não fosse essa instigação", comentou João Milton Salles. 

"Não teve tentativa de estupro", diz MP

João Milton Salles afastou de vez a hipótese da defesa de Edison Brittes Júnior de que Cristiana sofreu uma tentativa de estupro por parte de Daniel. "Absolutamente rechaço isso, quererem imputar a esse rapaz o crime de estupro". 

"A motivação dele estar no quarto é muito difícil dizer, porque isso só conversando com quem participa desse tipo de festa. É muito difícil você explicar", ressaltou. 

Mensagens de Daniel demonstraram "ambiente de descontração"

O promotor destacou a importância do áudio de Daniel mandado a amigos no dia do crime. Segundo ele, esse áudio demonstrou o clima de descontração do local. "Aquela mensagem falada que ele manda, demonstra exatamente a boa fé que ele estava nos atos que ele estava cometendo. Estava demonstrando que estava se sentindo num ambiente de extrema descontração, inserido num lugar que permitia a todos um comportamento festivo". 

O celular de Daniel não foi encontrado. "Como eu gostaria de ter esse celular, hoje seria um celular de 1 milhão de dólares. Quem desapareceu com o celular? Quem desapareceu com o celular foram as pessoas que o mataram". 

Outros crimes ligados a Edison Brittes Júnior

O promotor João Milton Salles disse que outros possíveis crimes ligados a Edison Brittes Júnior serão investigados inicialmente pela polícia. “São procedimentos ligados a outras promotorias. No curso da investigação, e talvez isso que tenha chamado a atenção, é que cada cavada que você dava, era uma coisa diferente que saía dali. Carro, motocicleta e telefone mostraram ligações nebulosas dele. Por dever de ofício, encaminhei isso à delegacia de São José dos Pinhais. Eles vão levantar esses dados e a partir daí o delegado vai definir”.

“Um fato que será investigado em São José é o rapaz do celular. Esse rapaz foi morto perto da casa do Edison, com tiros de fuzil, com extrema violência. O trabalho desse rapaz era adulteração de veículo roubado. Quando acho um celular desse morto, tenho um fio da meada. Não tenho como apontar autoria, mas tenho um caminho".

Futebol