PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Torcedores do Flu se reúnem com time no vestiário do Maracanã após empate

Siga o UOL Esporte no

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/11/2018 02h00

O empate sem gols do Fluminense diante do Ceará rendeu vaias na arquibancada do Maracanã e uma reunião com torcedores tricolores no vestiário do estádio.

Após a partida, dois integrantes de uma organizada do Tricolor foram autorizados a entrarem no espaço restrito aos jogadores. Lá, tiveram uma conversa com Gum e outros líderes do elenco, casos de Júlio César, Digão e Everaldo.

Com cinco meses de direito de imagem e dois de carteira de trabalho em atraso, o elenco do Flu vive momentos de tensão máxima. Insatisfeito com o cenário, o goleiro foi um dos que entraram mais nervosos no vestiário. Inconformado com a situação, ele desabafou com os colegas de time.

Os que ficaram para o papo foram os últimos a deixar o estádio e evitaram falar com os jornalistas presentes. Antes deles, o presidente Pedro Abad e alguns colaboradores mais próximos foram embora.

Havia a expectativa que parte dos atrasados fosse pago nesta segunda, mas nada foi repassado a atletas e demais funcionários, que também sofrem com a situação.

A insatisfação foi ainda mais agravada pelos gritos de "time sem vergonha" entoado por parte da torcida presente na partida. O atacante Luciano, por exemplo, não escondeu a sua irritação com a crítica.

"Ouvir tudo isso não é fácil, eu nunca tinha passado por isso. A gente tem família, eu sou pai. É uma situação muito difícil", disse ele ao "Sportv".

Com o resultado ante o Alvinegro, os cariocas pularam para 42 pontos (a cinco do América-MG, clube que abre o Z-4) e caíram para a 13ª colocação no Brasileiro. O Flu volta a campo na quinta-feira, quando enfrenta o Bahia, às 21h, na Fonte Nova.  

Futebol