PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Edu Gaspar fala de dispensas na seleção e dá ultimato a quem não justificar

Pedro Martins / MoWA Press
Imagem: Pedro Martins / MoWA Press

Do UOL, em São Paulo

30/10/2018 00h17

O coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, defendeu nesta segunda-feira (29) a convocação de jogadores em momentos-chave da temporada, algo que recentemente tem sido alvo de críticas.

"O atleta tem o direito [de pedir para não ser convocado], mas nas futuras convocações, obviamente vai ser muito bem pensado se ele vai voltar a ser convocado ou não. Todos os atletas que são convocados vão de muito bom grado", disse Edu ao canal Fox Sports.

Um caso recente dividiu opiniões no futebol brasileiro. Na semifinal da Copa do Brasil, em setembro, Paquetá e Dedé passaram apertado para defender a seleção brasileira e jogar decisões por Flamengo e Cruzeiro, respectivamente. O meia jogou mais de meia hora no amistoso contra El Salvador, fez recuperação durante o voo e no dia seguinte voltou a campo; o zagueiro passou por situação idêntica e até criticou o calendário.

Nesta mesma ocasião, na qual Flamengo e Cruzeiro chegaram a fretar um avião para poder contar com os atletas, o lateral Fagner pediu dispensa por lesão. Dias depois, no entanto, estava em campo pelo Corinthians. A saia foi tão justa que até fez o clube divulgar laudo médico comprovando a contusão do jogador.

Edu argumentou nunca ter visto um atleta pedir para não ir para a seleção. Lembrado sobre o caso do lateral Mário Fernandes, que em 2011 pediu desconvocação e neste ano disputou a Copa do Mundo pela Rússia, Edu manteve a posição. "Nunca vi um atleta levantar a mão e pedir para não ir para a seleção brasileira. No caso do Mário Fernandes, ele deve ter as razões dele. Mas se um atleta diz que não quer jogar na Seleção Brasileira, ele não vai jogar na seleção", afirmou.

Por fim, Edu Gaspar disse que a comissão técnica evita colocar o atleta nessas situações e citou o caso de Renato Augusto, meia que recentemente pediu para não ser chamado para o Brasil por motivos pessoais.

"A gente não quer colocar o atleta nessa situação. Por isso a gente sempre tenta ter critério. No caso do Renato Augusto, foi uma desculpa muito bem justificada, ele ligou e teve um problema pessoal que não cabe a mim explicar aqui", concluiu o executivo.

A seleção brasileira disputa mais dois jogos neste ano: enfrenta o Uruguai no próximo dia 16 e Camarões, quatro dias depois. Os amistosos já fazem parte da preparação para a Copa América de 2019, o próximo torneio oficial no calendário da equipe canarinho.

Futebol