PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Não é só Neymar! Rixa Barça x PSG é antiga e pode esquentar ainda mais

Nasser Al-Khelaifi na apresentação de Neymar: PSG e Barcelona costumam travar batalhas nas últimas janelas de transferência da Europa   - Reprodução
Nasser Al-Khelaifi na apresentação de Neymar: PSG e Barcelona costumam travar batalhas nas últimas janelas de transferência da Europa Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

26/10/2018 04h00

Se dentro de campo a rivalidade Barcelona x PSG ainda engatinha, nos bastidores ela esquenta a cada janela de transferências. Com interesses comuns no mercado e negociações complicadas entre si, os clubes vivem uma relação estremecida que teve como ápice a transferência de Neymar e já tem novos capítulos “no forno” para os próximos meses.

Na última semana, a notícia do "Mundo Deportivo" de que o Barcelona poderia tentar a volta de Neymar ganhou grande repercussão na Espanha. O clube catalão negou com veemência, mas caso realmente existisse o interesse ele bateria com a cara na porta do PSG. O clube francês ultimamente tem freado negócios e acordos com o rival europeu.

Sinal deste clima foi relatado recentemente pelo jornal “Sport”,que publicou uma informação de que o presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, teria proibido um de seus executivos a participar de um ato organizado pelo Barcelona. Seria uma resposta a uma declaração recente do mandatário do time catalão, Josep Maria Bartomeu, que chamou de hipócrita o fato de os parisienses reclamarem de assédio do Real Madrid em Neymar.

"Quando alguém reclama, precisa pensar se já não fez a mesma coisa em algum momento. Eu acredito que o PSG tenha procurado o Neymar antes de pagar a rescisão (do contrato com o Barça). Como você se distancia da hipocrisia?", questionou Bartomeu.

De fato, a negociação com Neymar fez a relação entre os clubes estremecer de vez. Na época, o pagamento da multa integral de 222 milhões de euros não impediu o Barcelona de abrir um processo contra o jogador para a devolução do bônus de uma renovação de contrato recente. O PSG era citado para que assumisse a o compromisso de quitar os 8,5 milhões de euros caso Neymar não pagasse o valor, o que gerou uma forte reação do clube francês, com direito a uma nota oficial.

Nos bastidores, o PSG ainda vê o Barcelona como o clube que mais pressiona a Uefa por conta de uma possível violação do fair play financeiro com as compras de Neymar e Mbappé. O clube francês havia escapado de punição em junho, mas o caso foi reaberto pela entidade em agosto. 

Bartomeu - Germán Praga/FCB - Germán Praga/FCB
Presidente do Barcelona, Bartomeu recentemente criticou o PSG
Imagem: Germán Praga/FCB

Rivais dentro e fora de campo 

As rusgas entre PSG e Barcelona já vinham de bem antes e tinham como origem disputas no mercado. Desde que assumiu o comando do PSG em 2011, Nasser Al-Khelaifi freou seguidas investidas do Barcelona por jogadores do clube, como Thiago Silva, Marquinhos e Verratti. Em compensação, tirou Neymar do time catalão e, depois de uma temporada de Juventus, fechou com Daniel Alves, jogador de grande identificação com o Barça.

A situação de Verratti foi a que ganhou mais notoriedade devido à extensão da negociação que terminou em fracasso. O agente do jogador italiano, Mino Raiola, chegou a chamar de "prisão de ouro" o PSG pela dificuldade em conseguir a liberação para ele jogar no Barcelona.

PSG x Barcelona - Reuters / Sergio Perez - Reuters / Sergio Perez
Barcelona e PSG jogaram oitavas da Champions em 2017
Imagem: Reuters / Sergio Perez
Internamente, o PSG enxerga o Barcelona como um concorrente sempre em evidência para realização do maior sonho do clube: o inédito título da Liga dos Campeões. Neste sentido, a virada sofrida nas oitavas de final da edição de 2016-2017 do torneio – derrota por 6 a 1 após vitória por 4 a 0 na ida – reforçou ainda mais no campo a rivalidade que já era desenhada nos bastidores. O Barça também eliminou o PSG nas quartas das Champions de 2012/2013 e 2014/2015.

Próximos capítulos

Em agosto, PSG e Barcelona voltaram a protagonizar interesse mútuo em jogadores rivais. Mas ambas as negociações, dos franceses com Ivan Rakitic e dos catalães com Adrien Rabiot, foram realizadas diretamente com empresários, de forma independente, sem conversas entre os clubes.

Rakitic renovou com o Barcelona, mas Rabiot encerra o seu contrato com o PSG no final da atual temporada e já sinalizou que deve mudar de ares. Tudo indica que o time catalão manterá o interesse e pode fechar com o meio-campista francês sem nenhum custo. Guardadas as devidas proporções, seria um pequeno troco pela perda de Neymar.

Outra disputa que se aproxima é por dois jovens talentos do Ajax: o volante Frenkie De Jong e o zagueiro De Ligt. Nesta semana, a imprensa espanhola noticiou o interesse do Barcelona nos jogadores com um rival de peso na concorrência: o PSG. A rixa parece estar longe de um final.

Futebol