PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Justiça suspende anulação da eleição do Vasco após análise de recursos

Com a decisão, Campello deixa momentaneamente o status de presidente interino  - Paulo Fernandes / Flickr do Vasco
Com a decisão, Campello deixa momentaneamente o status de presidente interino Imagem: Paulo Fernandes / Flickr do Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/10/2018 17h59

Em mais um capítulo da novela jurídica que se transformou a eleição de 2017 do Vasco, a a juíza Márcia Ferreira Alvarenga, da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, decidiu - após analisar os recursos pendentes - conceder efeito suspensivo à liminar da 52ª Vara Cível que anulava o pleito. Deste modo, Alexandre Campello volta ao status de presidente legítimo do clube até que o mérito seja julgado.

Em sua decisão, a magistrada foi contundente, dizendo ser "lamentável que os candidatos, conselho fiscal, beneméritos e todos os que participam da referida eleição, que dizerem querer o bem do clube, não consigam discutir e chegar a um consenso". Ela disse ainda que, na liminar, não foi respeitado o contraditório. 

Em outro trecho, a juíza diz que dois associados do Vasco "estiveram presentes na delegacia de Polícia de Benfica somente porque foram pressionados e induzidos a erro pelo então agravado Alan Belaciano a prestar informações viciadas a respeito da sua condição associativa, equivocando-se em seus depoimentos".

Alan Belaciano foi o advogado responsável pelo processo em que se pede a anulação da eleição. Ele é ligado ao grupo "Sempre Vasco", do ex-candidato à presidência Julio Brant.

A ratificação da liminar que anulava a eleição havia sido feita recentemente, na última segunda-feira (22). Com esta nova etapa, a batalha judicial poderá parar em Brasília (DF).

Futebol