PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Atlético-MG mantém sina do passado, e Levir tem pouco tempo com grupo

Levir Culpi é o novo treinador do Atlético-MG. Ele substitui Thiago Larghi na equipe mineira - Daniel Vorley/AGIF
Levir Culpi é o novo treinador do Atlético-MG. Ele substitui Thiago Larghi na equipe mineira Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

19/10/2018 04h00

A diretoria do Atlético-MG optou pela demissão de Thiago Larghi e a contratação de Levir Culpi na última quarta-feira (17). A opção confronta com o que os atletas pediram ao diretor de futebol Alexandre Gallo e ao presidente Sérgio Sette Câmara e expõe uma tendência do próprio clube nos últimos anos. O novo comandante terá menos de dois dias para conhecer o elenco para a estreia e nove jogos para alcançar o objetivo traçado pela cúpula.

O Galo não costuma dar sequência aos técnicos que contrata desde o início da gestão passada, comandada por Daniel Nepomuceno. Em três anos, o antigo mandatário contou com seis comandantes. Levir Culpi (2015), Diego Aguirre (2016), Marcelo Oliveira (2016), Roger Machado (2017), Rogério Micale (2017) e Oswaldo de Oliveira (2017) trabalharam sob a batuta do ex-presidente.

Sérgio Sette Câmara chegou ao terceiro treinador com a contratação de Levir Culpi. Antes de buscar o técnico de 65 anos em Curitiba, ele contou com Oswaldo de Oliveira nos primeiros meses de trabalho e o jovem Thiago Larghi de fevereiro a outubro. As mudanças expõem uma tendência de trocas no comando dentro do próprio clube. Desde a última demissão de Levir, o time teve seis treinadores distintos. Neste período, Diogo Giacomini chegou a trabalhar com a equipe de forma interina.

O excesso de alterações acarreta em um novo problema. Levir Culpi, novo treinador da equipe, por exemplo, terá que se adaptar ao elenco em menos de dois dias para estrear no comando técnico na partida contra o Fluminense, no domingo (22), pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em sua apresentação, o treinador admitiu não conhecer as peças que terá à disposição no clube.

"Assisti a poucas partidas do Atlético. Eu tenho pouco conhecimento do elenco. Quero assisti-los nos treinamentos para ver a capacidade dele, inclusive para avaliar a capacidade deles e o esquema tático", comentou.

Embora não tenha conhecimento profundo do elenco, o técnico acredita que os atletas estão produzindo abaixo do que podem na Cidade do Galo.

"O Atlético tem um elenco que considero bom, bons atletas. Não é um elenco pequeno. O Atlético ficou aquém do que pode oferecer, mas ficou aquém por quê? Eles podem oferecer mais que isso. Esse período é importante para conhecê-los e tomar decisões para a temporada que vem", concluiu.

Futebol