PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Galiotte perde apoio de mais um vice e termina ano "sozinho" no Palmeiras

Jesse Ribeiro (d) deixa base de apoio de Maurício Galiotte no Palmeiras - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Jesse Ribeiro (d) deixa base de apoio de Maurício Galiotte no Palmeiras Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

17/10/2018 12h43

Maurício Galiotte terminará o ano à frente do Palmeiras sem contar com nenhum vice-presidente. No início desta semana, Antonino Jesse Ribeiro anunciou o rompimento com o atual mandatário pedindo mais respeito.

Com a saída dele, o cartola alviverde fica sem o apoio de nenhum dos quatro vices que iniciaram a gestão ao seu lado. Antes deste episódio, Victor Fruges, José Carlos Tomaselli e Genaro Marino já haviam rompido. Os últimos dois, inclusive, compõem a chapa da oposição na eleição marcada para o dia 24 de novembro.

Em entrevista ao UOL Esporte, Jesse disse que não se sentiu respeitado no processo da formação da chapa e lembrou que foi o único vice que defendeu o cartola palmeirense desde o início do turbulento processo de rompimento com Paulo Nobre, ainda em 2017.

"Alguns conselheiros vieram me falar que eu exigi ser 1º vice-presidente e me criticaram por isso. Mas eu nunca fiz exigência alguma. Eu duvido alguém mostrar que eu um dia pedi cargo no Palmeiras. Eu queria fazer um pronunciamento a todos, mas não tive essa oportunidade, por isso escrevi uma carta, porque não faço fofoca. O comentário era que eu tinha me rebelado por não ter sido o 1º vice, mas isso não é verdade. Ele (Galiotte) me ofereceu para ser presidente do COF (Conselho de Orientação e Fiscalização). Mas para isso eu preciso passar por duas eleições, não é a vontade dele que define", afirmou Jesse.

"Na vida, você merece ser respeitado. O presidente faz a chapa que quiser, mas eu mereço mais respeito. Fiquei ao lado dele nos momentos mais difíceis e não me arrependo, porque fiz para defender a instituição. Ao lado, não. Estive à frente, porque eu era o único que enfrentava aquele movimento. Não vou dizer que sou oposição, agora eu sou independente. Vou analisar o pleito, mas não confio mais na presidência, por conta da forma que fui tratado. Sou franco com você: vou votar do jeito que quiser", completou.

Maurício Galiotte foi consultado pelo UOL Esporte, mas não quis se manifestar a respeito das declarações de Jesse. Ele indicou Paulo Buosi para o cargo de 1º vice-presidente. Décio Perin, Alexandre Zanotta e José Eduardo Caliari terminam a composição.

Na última segunda-feira, ele mostrou ter apoio de boa parte do Conselho ao receber 146 votos aprovando a sua candidatura, com forte sustentação de Leila Pereira. Até por isso, ele não deve ter problemas para terminar o mandato, apesar do isolamento entre os vices. Genaro Marino, que se lançou como opositor, recebeu 83 com apoio majoritário de Mustafá Contursi. Os dois passaram pelo filtro imposto pelo estatuto e, agora, concorrem pelo voto do associado para assumir o clube entre 2019 e 2021.

Futebol