PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Sociedade com agente e viagem fizeram Gilberto Silva levar Fred ao Man Utd

Gilberto Silva e Fábio Mello abrem escritório de consultoria esportiva em Belo Horizonte - Thiago Fernandes/UOL Esporte
Gilberto Silva e Fábio Mello abrem escritório de consultoria esportiva em Belo Horizonte Imagem: Thiago Fernandes/UOL Esporte

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

29/08/2018 11h00

A transferência de Fred do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, para o Manchester United, da Inglaterra, contou com a interferência de um pentacampeão mundial. Gilberto Silva utilizou a transação que movimentou 55 milhões de euros (R$ 240 mi à época) como um grande cartão de visitas para sua entrada no mundo da consultoria esportiva.

Sócio do agente Fábio Mello na Partner Sports, com sede em Belo Horizonte, o ex-jogador, pentacampeão do mundo pela seleção brasileira, convidou órgãos de imprensa para conhecer a sua empresa. Na entrevista, contou os bastidores da ida do atleta da seleção brasileira ao Old Trafford, revelou como iniciou a agenciar o meio-campista e quais os planos tem para a sequência da carreira.

A ideia de gerir carreiras se iniciou em 2016. Contudo, à época, recebeu uma oferta para assumir o Panathinaikos, da Grécia. O convite retardou os planos, que foram retomados em um encontro fortuito com o advogado e o irmão de Fred.

"O Fred, eu comecei a trabalhar no ano passado, logo que voltei da Grécia. Por coincidência, quando fui para a Grécia como diretor de futebol, fiquei conhecendo o irmão dele e o advogado dele, que é um amigo em comum. A gente foi no voo até Munique. Quando retornei, eles não tinham agente. Muitas pessoas procurando, querendo trabalhar com ele. Meu amigo, que é advogado dele, fez a indicação. A gente conversou, até chegar a conclusão de dar início ao trabalho", disse Gilberto Silva.

No primeiro encontro, Gilberto indicou o agora sócio Fábio Mello, o que contribuiu para o início da parceria entre as partes. "Nisso, a gente já estava como sócio. O Gilberto falou sobre a parceria e explicou que não estava começando do zero. Era uma das dúvidas da família", contou Fábio.

Na gestão da carreira de Fred, Gilberto encontrou os primeiros obstáculos como empresário. Além de ter que resgatar a imagem manchada de um jogador que teve problemas com doping, precisou conter o ímpeto do atleta em trocar o futebol ucraniano pelo Manchester City de Pep Guardiola em janeiro de 2018.

"Acaba, querendo ou não, demandou bastante. Era uma operação grande, a gente já sabia. Quando a gente entrou, precisávamos entender como seria. O Fred em baixa", relembra o ex-volante de Atlético-MG e Arsenal.

"Era um processo de reconstrução de imagem, porque repercutiu. Tecnicamente, não o via em baixa. Mas era um processo de retomada de carreira", complementou Fábio.

Com a carreira novamente consolidada, Fred passou a ser assediado por grandes do futebol europeu. O interesse mais evidente foi do Manchester City, em janeiro deste ano. O acordo, contudo, não aconteceu por escolha do Shakhtar Donetsk.

"Sobre o Manchester City, teve a possibilidade de sair em janeiro. Mas o Shakhtar vetou, não houve nem conversa. Chegou uma boa proposta, até maior que a de agora. Mas o Shakhtar entendia que ele era o mais importante jogador do clube. Não quis negociar, vetou a saída. Fizemos o planejamento que era sair no verão e ele comprou a ideia. Tudo o que fomos conversando ele entendeu o processo, comprou a ideia. Foi legal, porque a conduta diante do Shakhtar dentro da negociação foi muito correta. Conduta profissional da nossa parte e da parte dele também, por não ter perdido a performance", revelou Gilberto Silva.

"Era uma oportunidade de negociação que estava passando. Explicamos para ele e falamos que o clube não iria liberá-lo. Poderia brigar, mas falei que queríamos fazer de forma diferente", acrescentou.

Quatro meses mais tarde, mesmo na Ucrânia, Fred teve a chance de defender a seleção brasileira na Copa do Mundo. Convocado por Tite, recebeu nova proposta da Inglaterra. A origem da oferta era a mesma cidade. No entanto, alguns quilômetros separavam o endereço do remetente. Desta vez, o Manchester United queria contar com o atleta de 25 anos.

Com o Shakhtar mais flexível, a dupla que agencia a carreira do meio-campista foi ao norte da Inglaterra para negociar com os Diabos Vermelhos. O acerto veio antes do início da Copa do Mundo com uma transação milionária. Os ingleses pagaram 55 milhões de euros (R$ 240 mi à época) para levá-lo ao Old Trafford. O acordo é visto como um grande cartão de visitas de Gilberto para o mercado da bola.

"Acredito que você larga bem. Como era a intenção de fazer a parte internacional dentro de um novo projeto. É um belo cartão de visitas, um bom começo. Mas ao mesmo tempo traz uma visibilidade maior, o que aumenta a responsabilidade. O que a gente quer é fazer grandes negócios. Espero que esse seja o primeiro de vários", comentou Gilberto Silva.

"É a volta do Gilberto em grande estilo para o futebol. Aqui no Brasil não estava atuando tanto. A concretização do negócio do Fred e a chegada da Partner usando uma estrutura de dez anos que vocês já conhecem com os atletas", endossou Fábio Mello.

Futebol