PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Emerson se firma no Galo após trauma Vinícius Jr: "três noites sem dormir"

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

29/08/2018 04h00

O domínio errado, a posse de bola entregue para o rival e a jogada de Vinícius Júnior que definiu a derrota por 1 a 0 para o Flamengo em pleno estádio Independência. O lance descrito acima ficou na cabeça de Emerson por alguns dias e o deixou ao menos três noites sem dormir.

Contratado pelo Atlético em abril passado, o lateral direito rapidamente assumiu a condição de titular. O jovem entrou no time no duelo contra o Cruzeiro, vencido pelo Galo por 1 a 0. Porém, no jogo seguinte, o revés para o Fla, cometeu o erro que determinou o resultado do confronto. Thiago Larghi até o manteve na equipe por mais duas partidas - a derrota para o vitória e o empate com a Chapecoense. Ele, contudo, não resistiu aos placares seguintes e foi substituído por Patric.

Em entrevista ao UOL Esporte, o lateral direito relembra o erro diante de Vinícius Júnior, hoje no Real Madrid, e conta como superou o trauma que marcou o início de sua passagem pela Cidade do Galo.

"Eu fiquei duas, três noites sem dormir por conta daquele jogo. Ficava vindo a imagem do lance à minha cabeça o tempo inteiro. Foi muito ruim, mas eu entendo, falhei no lance. Fiz mais dois jogos como titular e, depois, fui para o banco. Amadureci muito. Eu estava fazendo uma ótima partida até aquele lance. Foi ruim, porque foi contra um concorrente direto, um jogo importante", disse.

Pouco mais de três meses após o erro, Emerson retomou a titularidade do Galo. O lateral direito entrou na equipe diante do Internacional, em 6 de agosto, e desde então, nem sequer foi substituído. Já são cinco partidas entre os prediletos do treinador, condição que deve se manter no próximo sábado (1º), diante do Corinthians.

"Depois daquele jogo, escutei muita gente falando: "o Emerson isso, o Emerson aquilo". Tive que voltar, trabalhar para me recuperar. Minha família ficou do meu lado o tempo inteiro e me ajudou muito. Foram muito importantes para mim", afirmou.

Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista de Emerson ao UOL Esporte:

Emerson se firmou como lateral do Atlético-MG - Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG - Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
Emerson se firmou como lateral do Atlético-MG
Imagem: Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

INÍCIO NO FUTEBOL

"Meu início foi muito difícil. Passei por Grêmio e São Paulo. Fui fazer um teste na Ponte Preta e fiquei. No primeiro jogo, quebrei o braço. Foi muito difícil. Mas aí eu cheguei à base e segui até virar jogador profissional. Na verdade, eu jogava na base e treinava no profissional com o Eduardo Baptista. Depois disso, ele saiu de lá e eu voltei para a base. Quando ele voltou, eu tive minha chance no profissional".

DO ATAQUE À LATERAL

"Eu era atacante. Comecei jogando como atacante, fazia alguns gols, diferente de hoje (risos). Eu fui atacante no Palmeiras, com 11 anos. Inclusive, ganhei o Paulista lá. Depois, fui para o Grêmio, onde fiquei seis meses, e também era atacante. Mudei para volante no São Paulo, depois de um tempo como atacante. Me falaram para jogar como volante, porque era alto, bom na marcação e forte. Aí fui voltando até virar lateral. Joguei em todas as posições no São Paulo, como lateral, zagueiro, lateral esquerdo, volante, meia-atacante e até atacante".

QUASE LARGOU O ESPORTE

"A gente pensa em desistir, pergunta se está fazendo o correto. É complicado demais. Neste momento, a gente não sabe o que fazer. Mas aí veio a minha mãe, meu pai e meus irmãos. Eles falaram comigo e pediram para eu continuar. Sempre me deram muito apoio".

NÃO PENSAVA EM SER JOGADOR

"Eu não pensava em ser jogador de futebol. Eu queria aprender a jogar por causa do meu primo, que é quase um irmão para mim. Ele se chama Lucas. Ele era bom de bola, canhotinho, habilidoso. Como é mais velho, ele ficava me driblando. Eu era muito ruim, só sabia correr (risos). Aí eu ficava indignado e falava: "vou aprender a jogar bola só para driblar você". Ele começou a me ensinar e eu fui atrás. Quando percebi, estava jogando de forma séria".

FÃ DE SELECIONÁVEIS

Dani Alves é idolo de Emerson, lateral do Atlético-MG - Wander Roberto/VIPCOMM - Wander Roberto/VIPCOMM
Dani Alves é idolo de Emerson, lateral do Atlético-MG
Imagem: Wander Roberto/VIPCOMM

"Tem um cara que gosto muito de ver jogar que é o Daniel Alves. Ele é muito habilidoso, muito bom, tem uma qualidade bem diferenciada. Às vezes, ele peca um pouquinho na marcação, mas eu costumo me inspirar nisso em outro jogador da posição, que é o Filipe Luís. Ele marca muito bem, tem uma consciência tática muito boa. As pessoas não o veem tão bem, mas ele é ótimo. O Marcelo é mais ofensivo, mas gosto dele demais também".

Futebol