PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Galiotte cogita concorrer à reeleição e recebe Andrés em festa do Palmeiras

Ale Cabral/AGIF
Imagem: Ale Cabral/AGIF

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo (SP)

28/08/2018 21h45

Com mandato a expirar no fim deste ano, Maurício Galiotte confirmou nesta terça-feira (28) que pretende concorrer à reeleição no Palmeiras. O atual presidente do clube afirmou que o cenário político para o pleito de dezembro começará a ser desenhado no próximo mês.

"Vamos definir detalhes em setembro, mas provavelmente, sim. A chance de eu ser candidato existe", afirmou Galiotte durante evento comemorativo aos 104 anos de fundação do Palmeiras, no Espaço das Américas, em São Paulo.

Ele conta com o apoio de Leila Pereira, dona da Crefisa, patrocinadora do clube, que também compareceu ao evento. "Mesmo antes de ser candidato ou não, o Mauricio sempre teve o meu apoio e sempre terá. Porque ele é um presidente que está construindo um Palmeiras que nós, torcedores, almejamos: moderno, profissional, que olha para frente e protagonista", disse a empresária.

Entre os convidados, chamou atenção a presença de Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, com quem Galiotte trocou farpas por conta da acusação de interferência interna à arbitragem na final do Campeonato Paulista, que reverteu a marcação de um pênalti de Ralf em Dudu. O dirigente alvinegro também costuma provocar o rival em coletivas quando é questionado sobre os problemas financeiros do clube alvinegro.

Galiotte, no entanto, disse manter uma política de boa vizinhança com Sanchez. "Não tem problema de relacionamento com o Corinthians. O nosso problema não é com o Corinthians. Respeitamos o Corinthians, inclusive o Andrés está na festa. O que a gente contesta ali é um erro de direito, e vamos brigar por isso, defender o Palmeiras. Não vamos deixar que as pessoas pisem na camisa do Palmeiras. Temos total convicção de que houve interferência interna. Temos muitas evidências, muitas contradições. A gente não se conforma com isso. Vamos dar sequência", justificou.

Se Andrés foi bem recebido, FPF é ignorada

Se Andrés foi bem recebido por Galiotte, o mesmo comportamento não foi visto em relação à Federação Paulista de Futebol. Na abertura de seu discurso no palco, Galiotte fez diversos agradecimentos, citando, entre outros, a patrocinadora Crefisa, a CBF, o STJD e autoridades públicas como o governador Márcio França, mas não fez qualquer menção à FPF.

O Palmeiras está oficialmente rompido com a entidade estadual desde a final do Paulistão. A denúncia sobre a suspeita de interferência na decisão estadual foi acolhida pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), mas ainda não tem data para ser julgada. Um dos representantes da CBF na festa, o presidente eleito da entidade, Rogério Caboclo, é desafeto político do mandatário da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos.

Apoio ao veto de Felipão a jogadores na festa

O presidente também foi questionado sobre o início de trabalho de Luiz Felipe Scolari no comando do Palmeiras, invicto em seis jogos disputados e sem tomar gols. Galiotte celebrou a mudança de atitude mostrada pela equipe após a demissão de Roger Machado.

"Está dando muito certo, Felipão está muito contente. A gente precisava dessa unidade. Eu tinha esse sentimento, o Palmeiras precisava de um pouco mais", destacou o dirigente, que aprovou a decisão de Scolari de não liberar o elenco para comparecer à festa de 104 anos do clube por conta do jogo desta quinta-feira contra o Cerro Porteño, pelas oitavas de final da Copa Libertadores.

"O que passamos é que teríamos uma mesa para o departamento de futebol. Eles decidem quem vem e não vem, e a posição do Felipão é: jogador não vai. Tem de estar concentrado, focado. E nós aprovamos", afirmou.

Palmeiras e Cerro Porteño se enfrentarão às 21h45 desta quinta, no Allianz Parque. No jogo de ida, no Paraguai, o Verdão venceu por 2 a 0 e encaminhou vaga às quartas de final.

Futebol