PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jael, André ou nenhum deles? Má fase do ataque cria dilema no Grêmio

André não tem rendido o esperado e pode perder vaga de titular no Grêmio - Jeferson Guareze/AGIF
André não tem rendido o esperado e pode perder vaga de titular no Grêmio Imagem: Jeferson Guareze/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

27/08/2018 04h00

A má fase do ataque cria um dilema no Grêmio. Jogar com André, que não tem dado resposta, optar por Jael, que chegou a ir bem, mas oscila bastante, ou adotar uma ideia diferente e não ter nenhum homem de referência. Para o jogo da próxima terça-feira pela Libertadores, essa é a principal dúvida de Renato Gaúcho.

Quem tem maior sequência no time principal é André. Contratado por R$ 10 milhões do Sport após uma longa negociação, o ex-jogador de Corinthians, Santos e Atlético-MG ainda não desencantou. Perdeu espaço porque chegou sem poder atuar em algumas competições e ainda não foi o protagonista esperado.

Jael, por outro lado, tem acrescentado quando entra durante os jogos. Mesmo que ainda distante do esperado pelo comando técnico e a torcida, o carismático atacante participou efetivamente de vários lances de gol com assistências e bons posicionamentos. Tem boas chances de começar diante do Estudiantes.

E no sábado, com reservas em campo, o técnico Renato Gaúcho mostrou outra opção. Montou o Grêmio sem a figura do centroavante, com Marinho e Pepê abertos, Douglas e Alisson no centro. Desta forma, recuava os jogadores centralizados para esticar a bola aos flancos, abusando da velocidades de quem atuava por ali. E em entrevista coletiva, Portaluppi explicou se tratar de algumas ideias testadas no time.

"São algumas ideias que eu tenho. O importante é que o Grêmio tem dois atacantes de área, André e Jael. Jogaram 45 minutos no último jogo, aqui (Arena da Baixada, onde os reservas encararam o Atlético-PR) é grama sintética, preferi deixar os dois em Porto Alegre. O sistema de jogo, na minha opinião, foi muito bom. Infelizmente, não aproveitamos os espaços que o adversário deu. Com três minutos, o Cícero deixou o Pepê na cara do gol, sabíamos que teria espaço e por isso colocamos jogadores velozes na frente", explicou Renato.

E se os atacantes 'de área' não resolverem, isso pode passar a ser adotado também no time de cima. Principalmente a partir da recuperação física de Douglas, após longo período lesionado. Desta forma, seria ele que dividiria o centro com Luan deixando Everton e Ramiro livres nos flancos.

Com total sigilo, o Grêmio definirá a estratégia pretendida para encarar os argentinos na terça-feira. Por ter perdido o jogo de ida por 2 a 1, o time gaúcho precisa vencer por um gol de diferença desde que não sofra gols como local. Batendo o Estudiantes por dois ou mais de margem também dá Grêmio. Empate ou qualquer vitória argentina os leva às quartas de final.

Futebol