PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Por medo de lesões musculares, Michael Owen revela que se escondia em campo

AP
Imagem: AP

Do UOL, em São Paulo

26/08/2018 17h06

Revelado pelo Liverpool com enorme potencial, o ex-atacante inglês Michael Owen viu seu talento limitado devido às seguidas lesões musculares na carreira. Em entrevista à emissora britânica BT Sport, neste sábado (25), ele revelou que se escondia em campo para não precisar correr.

"A partir da primeira [ruptura de músculo], eu estava acabado. Eu mudei meu jogo. Fui de um cara que poderia marcar gols como aquele que fiz contra a Argentina [na Copa do Mundo de 1998], superando jogadores, correndo pelos espaços", explicou Owen.

"Mas nos últimos seis ou sete anos da minha carreira, eu virei a única coisa que poderia ser. Tinha muito medo de correr porque sabia que iria romper um músculo", declarou. "Meu instinto me dizia para fazer o que você sempre fiz, eu nasci para ser um jogador. A pior coisa de todas é quando Steve McManaman pegava a bola no meio e eu pensava: 'Não, você não pode fazer isso, desista'."

"Tudo o que fiz nos seis ou sete anos finais da minha carreira, eu odiei. Eu mal podia esperar para me aposentar porque aquele não era eu", completou.

Na entrevista, Owen afirmou que, na sua época, lesões musculares não eram casos de cirurgia. Além disso, revelou que seu pai, o ex-jogador Terry Owen, e seus irmãos, que também praticaram esportes durante a vida, conviveram com lesões semelhantes em série.

"Você sabe o que é ainda pior? Por ter a certeza de que não poderia correr, eu comecei a me posicionar em lugares onde eu realmente não teria como arrancar. Também comecei a ficar em lugares que não deveria estar. Se eu ficasse perto do último zagueiro, McManaman iria me lançar. Se ele fizesse isso e eu não corresse, ele ficaria: 'Por que você não foi?' Mas então ele me via no lugar errado e pensava: 'Ok, não consigo passar agora'", encerrou. 

Depois de jogar pelo Liverpool de 1996 a 2004, Owen se transferiu para o Real Madrid, onde atuou na temporada 2004/05. De volta à Inglaterra, defendeu Newcastle, de 2005 a 2009, Manchester United, de 2009 a 2012, e encerrou a carreira no Stoke City, em 2013. 

Futebol