PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Palmeiras pode ter só um representante de vitória histórica no Beira-Rio

Erik, hoje no Botafogo, marcou o gol de vitória na casa do Inter há duas temporadas - Jeferson Guareze/Agif/Estadão Conteúdo
Erik, hoje no Botafogo, marcou o gol de vitória na casa do Inter há duas temporadas Imagem: Jeferson Guareze/Agif/Estadão Conteúdo

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo (SP)

25/08/2018 04h00

Para ser campeão brasileiro de 2016, sob o comando de Cuca, o Palmeiras precisou quebrar um longo jejum pelo caminho. O Verdão venceu o Internacional no Beira-Rio por 1 a 0, na 15ª rodada da Série A e encerrou tabu de 19 anos no estádio. Passadas duas temporadas do feito histórico, os palestrinos voltam a sonhar com o título do Brasileirão e novamente têm de passar por provação em Porto Alegre contra os colorados, às 16h de domingo. Mas o cenário mudou bastante de lá para cá - dos dois lados.

As diferenças começam pelo status do próprio Inter. Ali, os gaúchos já iniciavam a derrocada que culminou em rebaixamento para a segunda divisão no fim de 2016. Agora, em campanha surpreendente após uma temporada na Série B, o time dirigido por Odair Helmann é o vice-líder do torneio nacional, atrás apenas do São Paulo antes da 21ª rodada começar. Entre os jogadores utilizados há dois anos, na derrota para o Palmeiras, restaram apenas o goleiro Marcelo Lomba e o volante Rodrigo Dourado.

O Palmeiras não passou pelas turbulências enfrentadas pelo Inter, já tem projeto mais sólido e de longo prazo na montagem do elenco, mas ainda assim se mostra afetado pela dinâmica do futebol brasileiro. Entre os atletas usados por Cuca em 2016 no Beira-Rio, somente cinco permanecem no grupo: Fernando Prass, Edu Dracena, Thiago Santos, Jean e Dudu.

O atacante, que começou no banco há dois anos e viu o reserva Erik decidir a partida, desta vez está suspenso pelo acúmulo de cartões amarelos. O mesmo fator deixa Edu Dracena fora do confronto de domingo. Fernando Prass tem se revezado com Jailson na reserva de Weverton, enquanto Jean se recupera de lesão e ainda é dúvida entre os convocados por Luiz Felipe Scolari.

Assim, Thiago Santos pode ser o único remanescente do feito de Cuca e companhia. E carregando muita confiança do novo comandante. O volante foi aproveitado em todas as partidas desde a volta do técnico e pode até ser titular caso uma formação alternativa seja levada ao Beira-Rio, pensando no compromisso pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América na próxima semana, contra o Cerro Porteño.

Futebol