PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Rooney recusou suíte especial e focou na conversa para liderar time nos EUA

Capitão do DC United, Rooney comemora vitória com seus companheiros  - Nick Wass/AP
Capitão do DC United, Rooney comemora vitória com seus companheiros Imagem: Nick Wass/AP

Do UOL, em São Paulo

22/08/2018 04h00

Ídolo na Inglaterra, Wayne Rooney seguiu o caminho de outras estrelas europeias ao se transferir para o futebol dos Estados Unidos. O atacante se tornou a contratação mais cara da história do DC United, de Washington. Mas se alguém temia que ele fosse um medalhão apenas se aproveitando da fama para enriquecer mais um pouco, as primeiras semanas em território norte-americano mostram que Rooney está ganhando respeito ao recusar privilégios e mostrar serviço em campo.

Um dos tratamentos especiais que Rooney dispensou foi a possibilidade de ter uma suíte só para ele durante as noites de concentração. Como os demais jogadores dividem quarto, o inglês quis ser igual ao restante do elenco. Seu parceiro de quarto é o goleiro David Ousted.

“É importante que os jogadores vejam que estou nesse projeto junto com eles e, não importam o que eles façam, comigo será a mesma coisa”, disse ele ao “The Washington Post”.

Outra mudança na rotina é o uso de voos comerciais pelo DC United. Se antes Rooney estava acostumado aos voos fretados, ele agora enfrenta os terminais de aeroportos ao lado dos demais passageiros. E não parece se incomodar com isso. “Se eu aceitei vir para cá, preciso me adaptar”.

Rooney também teve cuidado especial com o vestiário. Ao ser apresentado ao elenco, fez questão de conversar com todos os jogadores, indo além dos cumprimentos básicos. “Você não sabe o que esperar quando um cara como ele chega, mas ele realmente quis conhecer todo mundo. Ele é um vencedor e mostra isso pra gente”, comentou o zagueiro Steve Birnbaum.

Birnbaum, inclusive, teve uma conversa especial com o inglês. Ao ser escolhido como novo capitão do time após três jogos, Rooney fez questão de falar com o zagueiro, dono da faixa até então, embora a tivesse recebido de forma “temporária” no início do ano.

“Se quando eu era capitão do Manchester chegasse um jogador e se tornasse capitão em duas semanas, eu não ficaria necessariamente feliz”, argumentou Rooney. Mas a postura do atacante já havia convencido Birnbaum. “Eu já achava que Rooney deveria ser o capitão. Suas palavras valem muito para as pessoas. Quero ele liderando esse time, porque ele é ótimo nisso”, disse o zagueiro.

Rooney sangra após choque em partida da MLS - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
Rooney quebrou o nariz e tomou cinco pontos no rosto
Imagem: Reprodução/Twitter

Mas outra vantagem de Rooney é que sua humildade não fica apenas no discurso. E há quase duas semanas o lance contra o Orlando City que rodou o mundo provou isso. Nos acréscimos do segundo tempo, com o jogo empatado por 2 a 2, Rooney estava na entrada da área adversária durante um escanteio para sua equipe, com direito a seu goleiro tentando cabecear em busca da vitória.

A defesa do Orlando conseguiu afastar e ligou contra-ataque. Rooney, então, disparou em velocidade e deu um pique até a intermediária defensiva, dando em seguida um carrinho perfeito para desarmar Will Johnson. Recuperar a bola já havia feito a torcida delirar com seu empenho, mas Rooney ainda acertou um lançamento longo para Acosta, que fez o gol da vitória a poucos segundos do fim.

Alguns jogos antes, Rooney havia entrado em dividida pelo alto e quebrado o nariz, além de sofrer um corte no rosto que precisou de cinco pontos. Na partida seguinte, nova jogada usando a cabeça e o local do corte voltou a sangrar, já que não estava totalmente cicatrizado. Com tais exemplos práticos, as palavras de Rooney no vestiário do DC United ganharam um peso maior. E ele virou um líder natural rapidamente.

Futebol