PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Justiça dos EUA condena José Maria Marin a quatro anos de prisão

/Paulo Whitaker-11.jun.2014/Reuters
Imagem: /Paulo Whitaker-11.jun.2014/Reuters

Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

22/08/2018 14h29

A juíza Pamela Chen, da corte federal do Brooklyn (Estados Unidos), anunciou nesta quarta-feira (22) a sentença de quatro anos de prisão mais US$ 1,2 milhão de multa ao ex-presidente da CBF, José Marin Marin. As autoridades norte-americanas ainda anunciaram o confisco de US$ 3,3 milhões de bens do dirigente. A defesa já anunciou que recorrerá da decisão.

"Marin e seus co-conspiradores foram um câncer para o esporte que ele diz amar. Seus crimes foram de uma ganância pura, não mitigada e sem controle", afirmou a juíza em sua decisão.

O ex-presidente da CBF já cumpriu 13 meses de prisão, sendo cinco meses na Suíça e outros oito em uma penitenciária nos Estados Unidos. Na contagem não é descontado o período em que esteve em detenção domiciliar em seu apartamento em Nova York.

Em dezembro de 2017, Marin, de 86 anos, foi considerado culpado em seis acusações: conspiração para organização criminosa, fraude financeira nas Copas América, Libertadores e do Brasil e lavagem de dinheiro nas Copas América e Libertadores.

A promotoria havia pedido 10 anos de prisão e uma multa de até US$ 6,6 milhões (cerca de R$ 26 milhões) para o ex-presidente da CBF José Maria Marin. A alegação do Departamento de Estado dos EUA é de que Marin causou mais de US$ 150 milhões em prejuízo com seus atos.

Em documento enviado à corte, o departamento faz um relato detalhado das provas contra Marin que inclui testemunhos dos ex-executivos de televisão, transferências bancárias e gastos em cartões de crédito. E relata também a participação do ex-presidentes da CBF Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, que nunca responderam ao processo porque não se apresentaram nos EUA.

A defesa, por sua vez, desejava uma pena de 13 meses de prisão, em consequência de sua idade avançada e do frágil estado de saúde. A expectativa agora é que Marin consiga reduzir a pena por bom comportamento.

"Temos que esperar a publicação da sentença para apelar", disse o advogado de Marin, Júlio Barbosa, ao UOL Esporte. "Provavelmente [será solto] em 24 meses, caso a pena não seja modificada na apelação. Acatamos a decisão, mas respeitosamente dissentimos e por isto apelaremos".

Durante a leitura da sentença nesta quarta-feira, Marin esteve acompanhado da esposa Neusa. A defesa do dirigente tentou sensibilizar a juíza pedindo a soltura imediata do ex-presidente da CBF para que o casal pudesse comemorar o aniversário de 60 anos juntos no Brasil. A magistrada, porém, foi irredutível na decisão.

"O argumento de que ele e sua esposa deveriam se reunir é reduzido para mim pelo fato dela nunca tê-lo visitado na prisão", afirmou Chen.

Prisão de Marin não mudará nada na CBF, diz Juca Kfouri

UOL Esporte

Entenda o caso

Marin foi um dos dirigentes da Fifa detidos no dia 27 de maio de 2015 em um hotel de luxo de Zurique pela polícia da Suíça, a pedido da justiça dos Estados Unidos.

Depois de passar cinco meses em uma prisão suíça e ser extraditado aos Estados Unidos, pagou uma fiança de US$ 15 milhões e passou dois anos em prisão domiciliar, em seu apartamento na Trump Tower na Quinta Avenida de Nova York, de onde saía apenas duas vezes por semana para assistir à missa.

Marin foi preso imediatamente em Nova York após sua condenação, anunciada em 22 de dezembro de 2017. Após sete semanas de julgamento no tribunal do Brooklyn, um júri popular o considerou culpado de seis das sete acusações de associação criminosa, lavagem de dinheiro e fraude bancária por aceitar subornos ligadas a contratos da Copa Libertadores e da Copa América.

Durante o julgamento, a defesa o apresentou como um idoso sem poderes, a quem a presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) caiu no colo de surpresa em 2012, para preencher o espaço deixado pela inesperada renúncia do até então poderoso Ricardo Teixeira.

E insistiu que, embora Marin fosse o presidente, não fazia nada sem Marco Polo Del Nero, com quem compartilhava os subornos.

Durante um jantar em 2014, Marin foi gravado falando sobre propinas por José Hawilla, empresário também acusado que colaborava com a justiça americana e que faleceu em maio deste ano.

No escândalo conhecido como Fifagate, a justiça americana acusou 42 pessoas e empresas de 92 crimes e de aceitação de mais de US$ 200 milhões em subornos.

Dos 42 acusados, três já morreram. Vinte e dois se declararam culpados e dois já foram sentenciados.

Quatorze permanecem em seus países, como Teixeira e Del Nero, este último banido pela Fifa de atividades relacionadas ao futebol. Del Nero nunca foi detido ou acusado no Brasil.

Futebol