PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Incerteza de bate-chapa marca final das inscrições para eleição no Paraná

Presidente Leonardo Oliveira aguardará até a noite para saber se terá oposição: cenário incerto - Site Oficial Paraná Clube/Divulgação
Presidente Leonardo Oliveira aguardará até a noite para saber se terá oposição: cenário incerto Imagem: Site Oficial Paraná Clube/Divulgação

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

22/08/2018 12h22

Efervescente ao longo da temporada, a política do Paraná Clube demonstra uma calmaria incomum no último dia de inscrições de chapas para concorrer à presidência do clube para o triênio 2018-2021. Com o prazo de inscrições se encerrando às 20h desta quarta-feira (22), em meio ao jogo contra o São Paulo, apenas uma chapa de situação, ainda não inscrita, se declarou publicamente interessada em concorrer.

Encabeçada pelo atual presidente Leonardo Oliveira e com a permanência de Oliveiros Machado Neto, agora como primeiro vice-presidente, a chapa da situação terá ainda Fernando Geraldi, Jefferson Klipel e Jamil Thomaz como novos nomes. “Nós vamos inscrever durante a tarde”, disse o presidente, que não quis comentar a possibilidade de não haver um bate-chapa na campanha.

Antigo aliado e agora adversário político de Oliveira, o empresário Carlos Werner já manifestou publicamente um desinteresse em participar da campanha. Esperava-se que Werner, que participou ativamente da eleição de Leonardo na campanha passada, pudesse apoiar alguma chapa ou mesmo ser um candidato, o que ele refutou em entrevistas recentes. Werner não atendeu a reportagem do UOL Esporte.

Um elemento que se soma ao mosaico eleitoral do Paraná é o fato da Justiça estar como interventora no clube através do Ato Trabalhista, que faz a gerência das contas do Paraná. Toda e qualquer movimentação precisa passar por um interventor judicial. Atualmente, o interventor indicado é o próprio presidente Leonardo Oliveira, que garantiu que, caso deixe o cargo, abrirá mão de ocupar a função de interventor.

Outro nome de oposição que surgiu foi o do ex-superintendente do próprio Paraná, Ricardo Machado Lima. Cotado para encabeçar uma chapa de oposição, Lima também negou ao UOL Esporte a intenção de concorrer. “Em apoio à tentativa do clube em sair dessa situação, nós decidimos não concorrer. Vamos apoiar o presidente, em razão das dificuldades na tabela. Nossa equipe não vai concorrer”, garantiu Lima, que não quis declinar os nomes que cogitaram concorrer.

Entretanto, o cenário seguirá em suspense pelo menos até às 20h01 desta quarta, quando Paraná e São Paulo estiverem na metade do primeiro tempo. O diretor do comitê eleitoral do Paraná Clube, Geraldo Luiz Farias, explicou que a data foi escolhida muito antes do conflito com a tabela do Brasileirão. “Ainda não havia a tabela desmembrada da Série A e aí houve essa coincidência. Mas estaremos na secretaria da Kennedy e também na secretaria da Vila Capanema”, declarou.

Ele também não tem clareza de que haverá chapa de oposição para concorrer com Oliveira, pelo que observou da movimentação de bastidores. “Não tenho essa clareza, de ter ou não bate-chapa. A gente não pode se furtar de que às 19h55 apareça alguma chapa’, disse, recordando de que as chapas serão homologadas para o início da campanha em 25 de agosto, com 30 dias para convencer os cerca de 970 sócios aptos a escolherem uma alternativa até a votação em 25 de setembro.

Futebol