PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Atlético conquista Supercopa da Europa em primeiro desafio do Real sem CR7

REUTERS/Ints Kalnins
Imagem: REUTERS/Ints Kalnins

Do UOL, em São Paulo (SP)

15/08/2018 18h32

O sonho do Atlético de Madri de conquistar um título europeu em cima do maior rival, enfim, se concretizou. Nesta quarta-feira (15), a equipe treinada por Diego Simeone (que cumpriu suspensão e assistiu ao jogo das tribunas) bateu o Real Madrid de virada por 4 a 2, na prorrogação, após empate por 2 a 2 no tempo normal, e conquistou o título da Supercopa da Europa. 

O jogo, que marca a abertura da temporada 2018-19 na Europa e reúne os atuais vencedores da Liga dos Campeões e da Liga Europa, foi disputado em Tallinn, na Estônia.

Diego Costa, duas vezes, Saúl e Koke anotaram os gols do Atlético, que chegou ao sétimo título na "era Simeone", no comando do time desde 2011. Benzema e Sergio Ramos, de pênalti, descontaram. Foi a terceira vez que os Colchoneros conquistaram a Supercopa, mantendo 100% de aproveitamento em finais do torneio - ganhou também em 2010 e 2012.

Pela primeira vez decidindo um título sem o atacante português Cristiano Ronaldo, negociado com a Juventus, o Real agora treinado por Julen Lopetegui não perdia uma decisão de título internacional desde 2000, para o Boca Juniors, no Mundial Interclubes.

Sem CR7, Bale e Benzema comandam ataque do Real. Vinicius Jr. não estreia

O início da era Lopetegui no comando do Real Madrid deu indícios de como ficará a equipe sem Cristiano Ronaldo. Na formação que foi a campo na Supercopa, Benzema ficou isolado à frente de uma linha ofensiva com quatro jogadores: Casemiro e Kroos mais centralizados, Asensio e Bale como pontas. Antes ofuscada por CR7, a dupla Bale-Benzema foi participativa no tempo normal, mas cansou na prorrogação. 

Principais reforços do Real para esta temporada, o goleiro Courtois não foi relacionado para o duelo e o atacante Vinicius Júnior começou no banco, mas não entrou nem na prorrogação, em que Lopetegui teve direito a uma substituição extra. Já o Atlético estreou como titular o meia francês Lemar, contratado por quase R$ 320 milhões.

O melhor em campo: Diego Costa

O brasileiro naturalizado espanhol esbanjou oportunismo e anotou os dois gols do Atlético no clássico, o primeiro logo aos 50 segundos, o tento mais rápido da história das finais das competições europeias. Diego ganhou de Sergio Ramos pelo alto, deixou Varane para trás e chutou forte e cruzado, entre a trave esquerda e a mão de Navas. O outro, aos 33 minutos do segundo tempo, ao escorar cruzamento rasteiro de Correa.

O pior em campo: Varane

Zagueiro da França na conquista da Copa do Mundo e um dos melhores jogadores da competição, o zagueiro do Real Madrid teve atuação irreconhecível na Estônia, falhando em dois lances capitais. No primeiro gol do Atlético, Varane perdeu na corrida para Diego Costa. Na prorrogação, foi desarmado por Thomas dentro da própria área, proporcionando a virada do rival.

Centroavantes não vacilam no primeiro tempo

Não foi apenas o Atlético que demonstrou presença de área na Supercopa da Europa. O Real marcou o seu primeiro gol na final com Benzema, aos 26 minutos do primeiro tempo, que escorou de cabeça o cruzamento de Bale pela esquerda para empatar em 1 a 1.

Diego Costa x Sergio Ramos: duelo para sair faísca

Diego Costa x Sergio Ramos - JAVIER SORIANO / AFP - JAVIER SORIANO / AFP
Imagem: JAVIER SORIANO / AFP

Jogadores conhecidos pelo pavio curto e estilo de jogo intenso, Diego Costa e Sergio Ramos protagonizaram um duelo quente na Estônia. Após o lance que gerou o gol do Atlético, antes de completar o primeiro minuto de jogo e em falha da defesa do Real Madrid, eles não economizaram disposição quando precisaram disputar a bola e não tiveram pudores para usar braços e cotovelos na luta por espaço.

Aos 17 minutos do primeiro tempo, um choque de cabeça pelo alto deixou os dois caídos no chão, mas nada grave ocorreu. Na segunda etapa, os dois trombaram próximos à linha lateral e bateram boca após Costa chutar a nuca de Ramos, que tinha se desequilibrado. O lance mereceu uma conversa mais dura com o árbitro polonês Szymon Marciniak.

Zagueiro-artilheiro deixa a sua marca

Sergio Ramos - Raigo PAJULA / AFP - Raigo PAJULA / AFP
Imagem: Raigo PAJULA / AFP

A eficiência de Sergio Ramos transcende o setor defensivo. Nesta quarta, ele se tornou o primeiro jogador do Real Madrid a fazer gol em duas finais de Supercopa da Europa (2016 e 2018). O zagueiro anotou de pênalti, aos 17 minutos do segundo tempo, em lance que Juanfran colocou o braço na bola após cobrança de escanteio.

Marcelo quase define o jogo com golaço

Parecia que as duas equipes estavam contentes em levar a decisão para os pênaltis, mas por pouco o Real não matou o jogo no último lance, aos 48 minutos do segundo tempo, com Marcelo. A defesa do Atlético deu espaço no contra-ataque, Bale cruzou e o lateral brasileiro tentou um voleio dentro da área, mas falhou.

Passeio do Atlético na prorrogação

Na final da Liga dos Campeões da temporada 2013-14, o tempo extra foi determinante para o Real sair com o título sobre o rival. Quatro anos depois, foi a vez de o Atlético aproveitar a prorrogação para se impor fisicamente e definir a partida, com gols de Saúl e Koke.

FICHA TÉCNICA
REAL MADRID 2 X 4 ATLÉTICO DE MADRI

Data: 15/8/2018
Local: Lilleküla  Stadium, em Tallinn (Estônia)
Árbitro: Szymon  Marciniak (Polônia)
Auxiliares: Pawe?  Sokolnicki e Tomasz  Listkiewicz (ambos da Polônia)
Gols: Diego Costa, aos 50 segundos do primeiro tempo; Benzema, aos 26 minutos do primeiro tempo; Sergio Ramos (de pênalti), aos 17 do segundo tempo; Diego Costa, aos 33 do segundo tempo; Saúl, aos 7 minutos do primeiro tempo da prorrogação; Koke, aos 13 do primeiro tempo da prorrogação.
Cartões amarelos: Asensio, Marcelo, Ceballos. Modric, Sergio Ramos (Real); Correa, Diego Costa (Atlético)

REAL MADRID: Navas; Carvajal, Sergio Ramos, Varane e Marcelo; Casemiro (Ceballos), Kroos (Borja Mayoral) e Isco (Lucas Vázquez); Bale, Asensio (Modric) e Benzema. Técnico: Julen Lopetegui.

ATLÉTICO DE MADRID: Oblak; Juanfran, Savic, Godín e Lucas Hernandéz; Rodrigo (Vitolo), Koke, Saúl e Lemar (Thomas); Diego Costa (Giménez) e Griezmann (Correa). Técnico: German Burgos (assistente de Diego Simeone, que cumpriu suspensão).

Futebol