PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Santos encaminha acordo com Zé Ricardo, mas sofre pressão por "medalhão"

Zé Ricardo é considerado a melhor opção para Ricardo Gomes e José Carlos Peres - Daniel Vorley/AGIF
Zé Ricardo é considerado a melhor opção para Ricardo Gomes e José Carlos Peres Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

25/07/2018 04h00

O Santos encaminhou acordo com o técnico Zé Ricardo para substituir Jair Ventura, demitido na última segunda-feira. O diretor executivo de futebol, Ricardo Gomes, prioriza a chegada do ex-treinador de Flamengo e Vasco e, inclusive, se reuniu com ele na capital paulista na última terça-feira.

Os valores financeiros agradaram os dois lados. Zé Ricardo custaria ao Santos cerca de R$ 300 mil mensais. O acordo geraria uma economia de R$ 50 mil por mês se comparado ao ordenado de Jair Ventura e sua comissão técnica.

O problema é que Ricardo Gomes e o presidente José Carlos Peres sofrem pressão interna e externa para que o Santos contrate um “medalhão” para o lugar de Jair. Integrantes de Comitê Gestor e Conselho Deliberativo rejeitam Zé Ricardo e pedem um treinador mais experiente.

O nome de Vanderlei Luxemburgo é o mais forte quando o assunto é a chegada de um “medalhão”. Conselheiros e dirigentes que residem em Santos pedem o retorno do “professor”. Mas existem aqueles que sugeriram Cuca e uma nova tentativa por Abel Braga – este já rejeitou assumir o Santos neste ano.

Se não bastasse, os dirigentes santistas receberam até ligações de torcedores uniformizados pedindo a contratação de um técnico “medalhão”. Eles não sugeriram nomes, mas não aprovam Zé Ricardo. Na visão deles, seria trocar “seis por meia dúzia”.

Dorival Júnior seria uma espécie de meio termo para fugir da pressão dos santistas que pedem o treinador “medalhão”. O problema é que ele também gera pressão de um outro grupo de dirigentes do clube, insatisfeitos com o treinador por conta de uma briga judicial. Dorival Júnior cobra salários atrasados na Justiça referentes à sua última passagem no clube – entre 2015 e 2017.

Agora basta saber se Peres e Ricardo Gomes vencerão a queda de braço e colocarão no “papel” o acordo com Zé Ricardo. A ideia é fechar com o novo comandante ainda nesta quarta-feira, mas há quem diga na Vila Belmiro que a “novela” pode se arrastar até o próximo fim de semana.

Futebol