PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Chegou a hora? Em 2018, C. Ronaldo enfim tem a chance de reinar sobre Messi

Português levou troféu em 2016 e 2017. E surge como candidato a superar astro do Barça - Franck FAUGERE/AFP PHOTO/L"EQUIPE
Português levou troféu em 2016 e 2017. E surge como candidato a superar astro do Barça Imagem: Franck FAUGERE/AFP PHOTO/L'EQUIPE

Do UOL, em São Paulo

25/07/2018 04h00

A presença de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi entre os dez finalistas do prêmio The Best de 2018, organizado pela Fifa, gerou expectativas há algum tempo esquecidas. Enfim, depois de seguidas temporadas correndo atrás, o astro português finalmente tem a chance de superar o argentino do Barcelona como o jogador com mais prêmios de melhor do mundo.

- Cristiano Ronaldo x Messi: origens dos craques

Desde que jogava no Manchester United e faturou o prêmio em 2008, Cristiano não sabe o que é levar vantagem sobre Messi nesta disputa. O argentino levou o prêmio em 2009, na eleição da Fifa antes da fusão com a Bola de Ouro da revista France Football, e dominou nos anos seguintes. Com a união que criou a Bola de Ouro da Fifa, foi premiado em 2010, 2011 e 2012.

O português, que nem ficou entre os três melhores em 2010, venceu a premiação em 2013 e 2014. Mas em 2015, na última edição antes da separação de Fifa e France Football, o craque do Barça voltou a ser laureado. Placar até aquele momento: 5 a 3 para Messi.

Entre a temporada 2008/2009 e 2011/2012, Messi reinou soberano no futebol mundial. Conquistou duas vezes a Liga dos Campeões da Europa (2009 e 2011), duas vezes o Mundial de Clubes da Fifa (2009 a 2011), três vezes o Campeonato Espanhol (2009, 2010 e 2011) e duas vezes a Copa do Rei (2009 e 2012), entre outros títulos individuais e por equipe. Você certamente ouviu (ou falou) na época que Messi não era humano.

Só que, aos poucos, o argentino voltou ao plano terreno e viu Cristiano Ronaldo alcançá-lo. Mostrando muito talento e invejável condição física, o camisa 7 sobrou. Com o Real Madrid, conquistou três vezes a Liga dos Campeões da Europa (2016, 2017 e 2018), duas vezes o Mundial de Clubes da Fifa (2016 e 2017) e uma vez o Campeonato Espanhol (2017), entre outras conquistas. Com Portugal, faturou em 2016 o inédito título da Eurocopa.

Quando a Fifa passou a organizar o The Best, seu prêmio para os melhores do mundo a cada ano, Cristiano Ronaldo fez valer a lógica e faturou o troféu masculino nos anos de 2016 e 2017, deixando Messi com o vice em ambos – Antoine Griezmann foi o terceiro em 2016, posto ocupado por Neymar no ano seguinte.

O prêmio de 2018: chegou a hora do troco?

Lionel Messi e Cristiano Ronaldo tiveram títulos a comemorar na temporada 2017/2018, mas que refletem bem o momento de ambos. No Barcelona, o argentino conquistou o Campeonato Espanhol e a Copa do Rei, mas caiu nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa. Já o Real Madrid do português não foi rival em competições domésticas, mas faturou o título europeu pela terceira temporada consecutiva, o que o Real não conseguia desde a década de 1950. Cristiano, inclusive, foi o artilheiro da última edição, marcando 15 gols.

Os números colocariam (e ainda colocam) Cristiano como favorito ao prêmio. Mas havia uma Copa do Mundo no meio do caminho e nomes como Kevin de Bruyne (Manchester City), Antoine Griezmann (Atlético de Madri), Eden Hazard (Chelsea), Harry Kane (Tottenham), Kylian Mbappé (Paris Saint-Germain) e Luka Modric (Real Madrid) ganharam fôlego para embolar a disputa.

Entretanto, enquanto a nova geração surge nos calcanhares, a dupla ainda conta com um colégio eleitoral bastante conveniente. Há quatro grupos de votação para definir quem vence cada categoria: jornalistas selecionados pela Fifa, capitães de todas as seleções, treinadores de todas as seleções e fãs. Como a votação do último grupo é aberta, o histórico da carreira costuma ter peso grande em relação aos números recentes. E talvez ninguém seja capaz de questionar o histórico dos dois nos últimos dez anos.

Com esta vantagem, os dois têm boas chances de figurar mais uma vez – talvez uma das últimas vezes – entre os três melhores colocados do The Best 2018. E caso confirme a tendência dos últimos anos, Cristiano pode terminar a votação à frente do agora humano Messi. Com 6 a 5 no “confronto direto”, voltaria a ter mais prêmios de melhor do mundo do que Messi, o que não acontece desde 2008.

Chegou a hora do troco? O mundo saberá em 24 de setembro, quando a Fifa realiza em Londres a entrega dos prêmios em cada categoria.

Futebol