PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Pobre em criação, Santos já trabalha para antecipar estreia de Bryan Ruiz

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

20/07/2018 04h00

Após o empate por 1 a 1 no clássico contra o Palmeiras, nesta quinta-feira (19), no estádio do Pacaembu, o Santos já trabalha nos bastidores para acelerar a estreia do meia costarriquenho Bryan Ruiz, principal reforço do clube durante a paralisação para a Copa do Mundo.

Bryan retorna ao país entre sexta-feira e sábado, após passar uma semana de férias na Costa Rica. A ideia é correr contra o tempo para condicioná-lo já para o confronto com o Flamengo, no dia 25, pela 15ª rodada. O clube ainda terá que acelerar a questão do visto trabalhista e de seu registro.

A projeção inicial do Santos era contar com o novo reforço somente diante do América-MG, no próximo dia 29, pela 16ª rodada.

A urgência em tentar utilizar Ruiz o quanto antes se dá pela visível dificuldade do Santos no setor. Contra o rival, a equipe do técnico Jair Ventura sentiu a ausência de um maestro para a criação e insistiu em jogadas pelos lados com cruzamentos na área, estratégia preferida do treinador.

"Tenho de aguardar o Bryan Ruiz. Queria o jogador o mais rápido possível. Fico incomodado em falar, porque parece que o grupo não está bom, porém pedimos reforços, porque saíram 23 atletas e chegaram três. Temos de vencer, e buscar o alto da tabela. O Bryan chega para somar, é importante. Um camisa 10 que tem uma boa parada e tem qualidade para fazer gols. O desgaste mental da Copa é muito grande, importante ter as férias e vai nos ajudar bastante", disse o técnico Jair Ventura.

A equipe costuma sair jogando do campo de defesa com os laterais, que acionam os pontas. Eles cruzam na área para a tentativa de conclusão, excluindo o meio da participação ofensiva.

De acordo com o Footstats, o mapa de calor sinaliza quase nenhum registro na parte ofensiva do meio de campo. A equipe tentou 33 cruzamentos na partida, aproveitando nove deles. O Palmeiras, com um meio de campo formado por três meias de formação – Lucas Lima, Hyoran e Scarpa – arriscou menos da metade no fundamento, somente 14.

O pedido por um período de uma semana de descanso partiu do próprio Bryan Ruiz antes mesmo da assinatura de contrato pelo fato de não ter tido férias pela preparação com a Costa Rica para a Copa do Mundo, logo após a última temporada pelo Sporting-POR.

O Santos tem pressa, também, devido a incômoda 15ª colocação na tabela, com apenas 14 pontos conquistados. Apesar de ter uma partida a menos, a equipe está longe da zona de classificação para a próxima Copa Libertadores da América e próximo ao rebaixamento.

Bryan afirmou que não precisará de muito tempo de preparação pelo fato de estar atuando. Ainda não há previsão para o primeiro trabalho, no CT Rei Pelé.

Com Bryan Ruiz, a cúpula santista enfim espera resolver o problema do setor mais carente do elenco: meia-armador. Desde que Lucas Lima deixou o clube após o término de seu contrato para assinar com o Palmeiras, o Santos não encontrou um jogador para a posição. As opções internas não resolveram: casos de Vecchio, Jean Mota, Léo Cittadini e outros.

O Santos, agora, volta a campo diante da Chapecoense, domingo, às 19h (de Brasília), na Arena Condá, em Chapecó, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Futebol